terça-feira, 18 de setembro de 2018

Disciplina Positiva: educação baseada no respeito




Das tarefas de ser mãe ou pai, disparado, uma das mais difíceis, sem sombra de dúvidas, é educar. Criar filhos só é simples e perfeito quando não os temos ainda. Depois que eles nascem, a gente sente na pele o quanto a prática é bem diferente da teoria. Vários fatores influenciam diretamente na maneira como os educamos. Entre eles, certamente a pressão da nossa rotina acaba tendo – e sendo! - uma grande influência. Afinal de contas, atire a primeira pedra quem nunca acabou cedendo a alguma birra ou apelo do filho por se sentir culpado pelo pouco tempo que tem dedicado a ele?


Cada vez mais tenho ouvido isso de mães e pais e cada dia mais temos visto crianças e adolescentes tornando-se pequenos tiranos como consequência disso. A psicóloga e educadora parental Fernanda Carvalho, observa que quando falamos em criação de filhos é necessário considerar a nossa própria história familiar e a maneira como fomos criados. Segundo ela, muitos pais desta geração vieram de uma educação rígida e autoritária, marcada pela submissão e pelo medo, o que deixou marcas na vida adulta, levando a falas como “quando tiver o meu filho, farei tudo diferente”. “E este diferente foi visto como a permissividade, deixar que as crianças sejam os reis da casa, sem limites. Isto acontece também pelo ritmo de vida acelerado, com concentração no trabalho, restando permitir tudo o que a criança deseja”, pontua a psicóloga.

Segundo Fernanda Carvalho, é muito tentador considerar que existem apenas dois caminhos: a permissividade e o autoritarismo. No entanto, ressalta, é possível visualizar outro caminho: a Disciplina Positiva, que tem como princípio a educação baseada no respeito, utilizando-se, ao mesmo tempo, da gentileza e da firmeza.

“Gentileza está baseada no respeito e na validação dos sentimentos das crianças, é olhar para esta criança e para as suas necessidades, acolhendo os sentimentos e levando as crianças à reflexão e à solução dos problemas. Ao fazer isso, fica claro que gentileza é diferente de permissividade”, explica a psicóloga. Ela acrescenta que, além da gentileza, é necessário também a firmeza, o estabelecimento dos limites tão importantes na vida de qualquer pessoa. Fernanda ressalta, no entanto, que os limites, para a Disciplina Positiva, podem ser estabelecidos com a participação ativa das crianças, gerando comprometimento e responsabilidade por parte delas.

“Aplicar e vivenciar a Disciplina Positiva requer disponibilidade e uma mudança de perspectiva sobre a vida. É necessária uma mudança no nosso papel, enquanto pais, para que as mudanças nas nossas relações com as crianças sejam percebidas”, diz. Para muitas mães e pais esse tema é novo e ainda nem tanto conhecido. Quem se interessou e quer conhecer um pouco mais, no próximo dia 28 tem início um grupo com o tema “Vivenciando a Disciplina Positiva - Um novo olhar para a criação de filhos”. A proposta é que sejam oito encontros, com a psicóloga e educadora parental certificada pela PDA, Fernanda Carvalho. As inscrições podem ser feitas através do telefone 79 99972-4145.


Beijos

Siga-nos nas redes sociais
@conversinhademae no Instagram

Nenhum comentário:

Postar um comentário