terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Visita a recém-nascidos: é preciso ter cuidados, sim!


Causou um certo burburinho a série de restrições impostas, esta semana, pela mamãe Sabrina Sato às visitas da sua pequena Zoe na maternidade. Visitas com tempo restrito, sugestão de utilização de protetores faciais e de pés, mãos lavadas e com limpas com álcool em gel, nada de beijos, pegadas nas mãos, nada de espirros, tosses ou fotografias. Entre os que acharam um exagero e torceram o bico e os que concordaram, a verdade é que tais medidas, por mais que pareçam exageros de celebridade, têm como objetivo proteger a saúde ainda tão frágil do recém-nascido e da mãe que acabou de dar à luz.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Mãe escritora lança em Aracaju livro sobre aprendizados com filho autista

Na próxima sexta-feira, dia 29, a mãe e escritora Aneida Fulsang estará pela primeira vez em Aracaju, quando realizará palestra com o tema “Autismo: quando se exige apoio muito substancial” e fará o lançamento do livro “Autismo – Aprendendo a Aprender com Ejner”.  O evento, promovido pelo Projeto Navegante Psi, será realizado no Delmar Hotel, às 19h.

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Sim, é preciso ensinar a respeitar


É fato que temos visto e vivido numa sociedade cada vez mais intolerante. Lamentavelmente!! A explicação para isso talvez esteja na falta de respeito entre as pessoas, entre as diferenças de pensamento e atitudes de pessoas diferentes. Por isso a importância de se aprender a respeitar o próximo, seja ele quem quer que seja, desde a infância. Para tratar sobre isso, entrevistamos a psicopedagoga Bárbara Ivo. Confira:

Conversinha de Mãe - Estamos vivendo num mundo onde está cada vez mais clara a intolerância das pessoas quando têm opiniões divergentes sobre qualquer assunto, postura esta que temos visto também em crianças e adolescentes. Por que dessa onda crescente de intolerância?

Bárbara Ivo - Vale lembrar que tolerância é a capacidade de poder admitir ou suportar maneiras, pensamentos, opiniões e atitudes dos outros opostas a sua. Então, podemos considerar como intolerante o sujeito, adulto ou criança, que não aceita a diversidade que o cerca. Aquele que tem a crença de que seu ponto de vista é o melhor e deve ser aceito por todos. É preciso levar em conta que os traços ou características que as pessoas apresentam são frutos de uma combinação de fatores, entre eles, o ambiente familiar – este tem uma participação crucial no comportamento refletido pelo individuo. Como estamos vivendo uma era onde a falta de limites e a permissividade por parte dos pais é muito grande, o resultado disso são crianças acostumadas a terem seus desejos atendidos constantemente. Crianças que não podem ser contrariadas e, consequentemente, não sabem lidar com frustrações. Não estão acostumadas a receber “não” como resposta e, naturalmente, tornam-se sujeitos intolerantes.

CdM - Qual a importância, desde cedo, de “ensinar” o respeito às crianças ou isso é uma coisa que se adquire pelo que se observa no convívio diário?

BI - A importância de “ensinar” o respeito é porque essa é a base da convivência humana. Podemos considerar o respeito como sendo justamente o oposto da intolerância, visto que respeitar é levar o outro em consideração mesmo diante das divergências de costumes, opiniões, etc. As relações estão fragilizadas e mesmo que a falta de respeito não seja o único responsável por isso, é um ponto determinante para tentarmos reverter este cenário. Os primeiros vínculos sociais de uma criança são seus pais (ou aqueles que assumiram esta função no caso de alguns) e tem sido nítida a inversão de papeis, na qual os pais deixaram de ser autoridades sobre os filhos e os filhos é que passaram a determinar o funcionamento e as regras da casa, inclusive a atitude dos próprios pais. Em um cenário como este, o respeito não existe, tampouco pode ser ensinado/aprendido. Podemos ver o resultado disso pelo comportamento dessas crianças em seu meio social e em suas relações com as demais pessoas que o cercam dentro e fora do ambiente domiciliar.

Essas crianças acham que podem determinar as regras da escola e sala de aula, que podem reproduzir com professores e outros adultos e crianças o mesmo comportamento de casa. Assim, acabam sendo motivos de problemas para escola, coleguinhas e os próprios pais que em determinado momento não sabem mais como lidar com a situação.

Obviamente elas não estão condenadas a serem adultos assim, mas aprenderão isso de uma forma muito mais difícil.

CdM - Como se explica o comportamento de muitas crianças e adolescentes que se sentem “reis” e “rainhas”?

BI - É natural elas se sentirem assim já que são autoridades em suas casas e tem todos em suas mãos. Elas determinam o que vão comer, comprar, para onde vão e como as coisas funcionarão. Para alcançar isso adotam algumas estratégias como choro, gritos, deitar no chão e até quebrar objetos.

No entanto, devemos nos lembrar de que este cargo foi conquistado por elas devido à falta de atenção, limites e disciplina por parte dos pais. Esse comportamento se estende e essas crianças costumam se tornar jovens egoístas, arrogantes, frágeis e cheios de problemas. Tudo isso nos leva para o ponto inicial dessa conversa, adultos desestruturados emocionalmente que terão dificuldade nos seus relacionamentos, inclusive quando assumirem o papel de pai ou mãe. Pessoas impacientes, imediatistas, egoístas e sem respeito ao próximo. Consegue perceber o ciclo? Fica claro que os pais de agora precisam buscar ser presentes e participativos para que seus filhos se desenvolvam da melhor forma, inclusive enquanto cidadãos.

Não estamos considerando aqui os casos que envolvem patologias psicológicas ou neuropsicológicas, todavia, mesmo nesses casos, a postura dos pais diante da educação dos filhos pode contribuir de forma a melhorar ou piorar o quadro.

CdM - Tem como correr atrás, quando se trata de mostrar às crianças a importância do respeito em todos os tipos de relacionamento?

BI - Claro que sim! Dizer não a isso é desacreditar na educação ou na capacidade das terapias em construir novos caminhos. Educar de fato não é uma tarefa fácil. É preciso, inclusive, levar em consideração que cada família tem seu funcionamento próprio e que cada indivíduo é único, mas todas tem um ponto em comum: a grande importância da interação familiar no desenvolvimento infantil em seus aspectos físico, psíquico, cognitivo e social. Claro que para desempenhar esse papel de serem pais educadores muitas coisas estão envolvidas, mas citarei aqui apenas três delas: amor, tempo e disciplina.

O amor é a base de tudo. É o amor que motiva o desejo de estarem unidos e pelo amor é que os pais estarão dispostos a rever suas prioridades e assumir o compromisso de educarem os filhos dedicando mais tempo a eles. E o tempo que eles precisam pode ser traduzido em atenção, não adianta tirar uma tarde para ficar em casa com as crianças e não fazer nada por elas ou com elas. Quando essa interação passa a existir, acaba levando ao terceiro ponto que é a disciplina. Disciplinar é o ato de pôr ordem, de corrigir, de orientar. Disciplinar faz parte do processo de educação e é um ato de amor!

Hoje as famílias podem ter suporte de muitos profissionais que contribuirão para o desenvolvimento de uma criança. Professores, Fonoaudiólogos, Psicólogos, Psicopedagogos, entre outros, mas passar para eles a responsabilidade total de desenvolver os filhos é uma ilusão porque para o desenvolvimento de seres humanos, saudáveis, equilibrados e pacientes ou tolerantes é preciso uma família participativa.

Eu costumo dizer que um dia a conta fecha e os pais podem lucrar ou ter prejuízos, e muito depende do trabalho que fizeram.

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

A crua e doce maternidade*


Tenha 33 anos, dois filhos, um emprego fixo, e também seja autônoma. Viva lutando para pagar boletos, mas precise também de tempo livre.

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

FASC 2018: Programação pra lá de especial para a criançada


E quem disse que o público infanto-juvenil não foi lembrado na programação do 35º Festival de Artes de São Cristóvão (FASC)? Foi sim! E vai ter muita coisa legal, que o Conversinha de Mãe já adianta aqui. Além dos espetáculos “O Grande Circo Gentil”, da Cia Gentileza de Artes Integradas (Cigari) e “Faz de Conta”, da Companhia Ponto de Teatro, a garotada vai participar da contação de história e da Mostra Curta-Se Festivalzinho, no Cine Trianon, que nos dias 16,17 e 18 de novembro abre as sessões com programação infantil.

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Disciplina Positiva: educação baseada no respeito




Das tarefas de ser mãe ou pai, disparado, uma das mais difíceis, sem sombra de dúvidas, é educar. Criar filhos só é simples e perfeito quando não os temos ainda. Depois que eles nascem, a gente sente na pele o quanto a prática é bem diferente da teoria. Vários fatores influenciam diretamente na maneira como os educamos. Entre eles, certamente a pressão da nossa rotina acaba tendo – e sendo! - uma grande influência. Afinal de contas, atire a primeira pedra quem nunca acabou cedendo a alguma birra ou apelo do filho por se sentir culpado pelo pouco tempo que tem dedicado a ele?

terça-feira, 24 de julho de 2018

“Amamentação: alicerce da vida” é tema da SMAM 2018




Várias atividades serão realizadas para marcar a Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM) 2018 em Aracaju. O tema para este ano é “Amamentação: alicerce da vida”. A programação, realizada pela Sociedade Sergipana de Pediatria (Sosepe), Hospital e Maternidade Santa Isabel e Universidade Tiradentes (Unit), com apoio da Secretaria de Estado da Saúde, acontece de 31 de julho até o dia 3 de agosto. A SMAM tem como objetivo informar sobre o modo como a amamentação está ligada à boa nutrição, segurança alimentar e redução da pobreza.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Vacinação também é muito importante na adolescência


Quando se tem um bebê, na maioria dos casos, nem precisa estar ressaltando com as mamães e papais a importância de manter o calendário de vacinação atualizado. O cuidado é tanto que a caderneta de vacinação já ganhou até uma capinha para conservá-la, toda combinando com o enxoval do pequeno. Mas aí os anos vão passando, as crianças vão crescendo e quando entram na adolescência nem sempre as vacinas são tão bem lembradas assim. Mas elas continuam sendo, sim, muito importantes para a saúde do adolescente. Pensando nisso é que a coluna Conversinha de Mãe traz hoje alguns esclarecimentos do Departamento Científico de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) sobre a vacinação na adolescência, porque os calendários vacinais são dinâmicos e sofrem frequentes mudanças, mas é preciso deixar nossos teens sempre protegidos.

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Porque brincar é fundamental

Uma atividade tão natural da infância, infelizmente, muitas vezes tem sido deixada de lado. O brincar, algo tão comum a gerações como a minha, a sua, a dos nossos pais, hoje tem sido deixado de lado, em muitos casos substituído por outras formas de diversões trazidas pela modernidade, como os aparelhos eletrônicos e a convivência virtual. Brincar na rua de queimado, esconde-esconde, amarelinha, pega-pega, de elástico, coisa que fiz muito na minha infância, nem de loooonge faz parte da realidade das minhas filhas, por exemplo.

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Santa Isabel comemora Dia Mundial da Doadora de Leite


Hoje teve comemoração na Maternidade Santa Isabel, em Aracaju, quando foi festejado o Dia Mundial da Doadora de Leite Humano. A data é celebrada em 19 de maio. A unidade possui um posto de coleta de leite. Houve programação com as mães, ressaltando a importância do leite materno para a saúde do bebê e da doação feita por mães que têm produção excedente além do que seus próprios bebês são alimentados.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

O Boticário e La Vecchia homenageiam as mães


Na noite da última quinta-feira, dia 3, jornalistas e influencers digitais mães foram recebidas pelo Boticário e o La Vecchia Ristorante e Pizzaria para comemorar o Dia das Mães. Junto com os filhos, as formadoras de opinião celebraram e conheceram algumas das opções de kits presentes do Boticário, criados especialmente para data com fragrâncias clássicas da marca, como Elysee, Lely, Floratta, Anne e Glamour, além da sofisticada e completa palette de sombras da Make B.
Também no encontro, as convidadas saborearam as delícias do La Vecchia, a exemplo das pizzas, a tábua de queijos e o Ravióli al Mocambo, prato recém-lançado e que será destaque no cardápio do Dia das Mães. A aprovação foi unânime, todas elogiaram a culinária e o serviço eficiente da casa. Ao final do evento, os filhos presentearam as mamães com os kits especiais do Boticário. Duas delas receberam os seus primeiros presentes como mãe – a jornalista Rafaela Vieira e a cantora Maysa Reis, que marcaram presença com os seus bebes. E eu recebi o meu das mãos de minhas pequenas Beatriz e Rebeca. Amei, um kit lindo e super cheiroso da linha Floratta. Foi um momento de muita emoção e alegria!

Beijos

Siga-nos nas redes sociais:
@conversinhademae (no Instagram)
@conversinhadmae (no Twitter)

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/conversinhademae

terça-feira, 8 de maio de 2018

Está chegando o Dia D



Que está difícil encontrar que não esteja ou não já tenha sido atingido por essa gripe que ronda a cidade. A mudança climática dessa época do ano ajuda – e muito! – para que isso esteja ocorrendo. Por isso prevenção nunca vai ser demais. A campanha de vacinação contra a gripe começou ainda no final do mês de abril e segue até o dia 1º de junho. Mas para facilitar a vida de quem trabalha durante a semana, justamente no horário em que as unidades de saúde estão abertas, no próximo sábado, dia 12, acontece o “Dia D” de mobilização para multivacinação, que tem também a finalidade de atualizar as cadernetas de vacinas, inclusive com a aplicação da dose contra a gripe.

terça-feira, 1 de maio de 2018

O Boticário resgata a magia do colo de mãe


Colo de mãe é uma delícia, concorda? Ele vira o remédio para a primeira desilusão amorosa, o aconchego em dias difíceis, a comemoração pelo novo emprego e todos aqueles momentos especiais que, de alguma forma, ficarão guardados naquela caixinha mágica da memória. O tempo passa, as crianças crescem e por algum tempo esse colo já não é mais tão recorrente – pela falta de tempo ou mesmo pela falta de costume.

Para comemorar o Dia das Mães e resgatar esses momentos especiais, O Boticário convida os filhos a retribuírem todo o carinho e aconchego recebidos da sua mãe, celebrando com presentes que traduzem essas histórias e que também farão parte da memória dela.

E falando nisso, o mês de maio já chegou e as opções de kits, criados especialmente para a data, já estão disponíveis nas lojas de todo o Brasil e com as revendedoras O Boticário. Os destaques são Elysée Nuit, uma fragrância sofisticada e moderna que combina rosas damascenas colhidas antes do amanhecer, momento em que estão mais bonitas e perfumadas, com um toque adocicado de macarron, tradicional doce francês. E Glamour Just Shine, que traz notas de raros cristais de sal, remetendo à luminosidade e frescor da saída, contrastando com a delicada flor de magnólia, e incentiva às mulheres a brilharem onde e como quiserem.

Os kits exclusivos são oferecidos em diversas faixas de preços que vão de R$ 49,90 até R$ 289,00. Além dos produtos, nécessaires e frasqueiras complementam os presentes.

Dê uma passadinha nas lojas e conheça as opções de kits de O Boticário para este Dia das Mães. Certeza que vai se encantar!

Beijos


Siga-nos nas redes sociais:
@conversinhademae (no Instagram)
@conversinhadmae (no Twitter)

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/conversinhademae

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Aprovada no Senado licença-maternidade de 6 meses para celetistas


Na semana passada, foi aprovado no Senado um projeto de lei há muito aguardado pelas mulheres que trabalham na iniciativa privada e defendido pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). A Comissão de Assuntos Sociais do Senado (CAS) aprovou, em regime terminativo, o Projeto de Lei Suplementar 72/2017, que amplia a licença-maternidade para celetistas de 120 para 180 dias. A proposta agora segue para análise da Câmara dos Deputados.

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Atenção para a caxumba!




Recentemente, uma doença que já não se ouvia tanto falar tem estado nas manchetes dos noticiários. Os casos registrados de parotidite infecciosa, mais conhecida como caxumba, voltaram a chamar a atenção para os cuidados na prevenção e a necessidade da vacinação. Enquanto no ano de 2017 ocorreram três surtos da doença notificados no município de Aracaju, este ano, até o momento, já foram dois. Em um deles foram identificados 11 casos.

terça-feira, 27 de março de 2018

O espetáculo já vai começar!



E hoje tem início o IV Festival Sergipano de Artes Cênicas. O evento, promovido pelo governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), levará a palcos, praças e ruas, da capital e do interior, a magia das artes cênicas, da dança e do circo. Grandes espetáculos de companhias sergipanas e de fora do estado serão apresentados ao público sergipano.

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

O papel da escola no desenvolvimento emocional do aluno


Você já ouviu falar em inteligência emocional? Essas duas palavrinhas são a capacidade que todos nós temos de reconhecer, avaliar e regular os nossos próprios sentimentos e também de reconhecer, no outro, essas emoções. Não é algo fácil de se fazer, nem mesmo para um adulto, mas como será possível trabalhar isso já durante a infância? Essa é uma abordagem que vem sendo feita nas escolas e tem ajudado bastante no desenvolvimento emocional dos alunos, já a partir da educação infantil.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Febre amarela: é preciso correr atrás da vacina?

Nas últimas semanas, os casos de febre amarela e até algumas mortes ocasionadas pela doença têm ocupado boa parte dos noticiários. E isso tem levado a uma corrida às unidades de saúde, pois as pessoas ficam muito temerosas de serem acometidas por ela. Tenho visto, inclusive, quando passo logo nas primeiras horas da manhã em alguns postos de saúde, filas imensas, com adultos, crianças, idosos, todos em busca da vacina. Mas será realmente necessário essa correria desenfreada? E quem é que, realmente, deve se vacinar? Pode criança, grávida, quem amamenta?