sábado, 31 de dezembro de 2016

Cuidado com as crianças durante o Réveillon

Últimos instantes do ano, todo mundo já nos preparativos para a festa da virada de ano e, em meio a tanta empolgação, a gente pode esquecer de alguns cuidados com as crianças e bebês. Normalmente, o Réveillon é uma comemoração mais festeira que o Natal, que geralmente é num ambiente mais fechado e familiar. Então, se você vai passar a virada fora de casa e em um local aberto, é recomendável tomar alguns cuidados para que os pequenos se sintam bem e seguros.

Se você tem um bebezinho em casa, com certeza ele será o centro das atenções na festa que você for participar. Ele não vai entender nada e é bem possível que ainda estranhe aquele monte de gente em cima, querendo beijar, fazer gracinhas com ele ou mesmo colocá-lo no colo. Cuide para que ele não fique nesse passa passa de braço, para não ficar estressado e, antes mesmo da virada, já estar sem conseguir ficar na festa.

No caso de ter bebês ou crianças pequenas, é bom pensar muito no local em que pretende virar o ano. Festas bem animadas podem ser legais para as mamães e papais, mas será que os pequenos vão curtir mesmo? Às vezes o som alto da música e das conversas também pode estressá-los. Por isso, procure um lugar mais calmo para ficar com eles.

Hoje, a maioria dos restaurantes e das festas de Réveillon oferecem “espaço kids”. Antes de decidir por um deles, procure saber qual a real estrutura que vão oferecer para que as crianças tenham o máximo de conforto e possam estar ao lado dos pais nesse momento.

É interessante também se manter longe do local dos fogos de artifício para não assustar os pequenos na chegada do novo ano. Especialistas recomendam que, se você morar próximo a um local onde acontece queima de fogos na hora da virada, procure fechar janelas e portas para tentar abafar a intensidade do som. Ah, por algodão no ouvido da criança para amenizar o som não adianta e além do mais há o risco de um corpo estranho ficar esquecido no local.

Se seu filho já tiver uma rotina certinha de horário de dormir, é provável que ele acabe dormindo antes da meia-noite. Não adianta insistir em mantê-lo acordado. Aos primeiros sinais de que o soninho está chegando, procure colocá-lo em um local mais tranquilo, para que possa repousar.

Quem tem criança um pouquinho maior muito cuidado na hora da contagem regressiva para a chegada do novo ano. Mantenha-a pertinho de você e longe do local da queima de fogos. Não esqueça: são explosivos e há riscos. Procure de alguma forma deixar a criança com alguma identificação e com seu telefone ou endereço de casa ou de onde está hospedado. Por mais cuidado que se tenha, é melhor estar prevenido para um eventual desencontro.


Aproveite esse momento de chegada de um novo ano para ficar em família, todos juntinhos, fazer uma oração, entregar os dias do ano novo nas mãos de Deus. Proteção divina nunca é demais!!!

Beijos

Siga-nos nas redes sociais:
@conversinhademae (no Instagram)
@conversinhadmae (no Twitter)

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/conversinhademae

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

10 sugestões de decoração para mesa de Ano Novo

A poucos dias do novo ano, talvez você também esteja aí sem saber ao certo o que fazer para decorar a mesa da ceia ou de um simples jantar para receber amigos ou familiares na virada do ano. Então, para te ajudar e dar algumas ideias práticas, trazemos 10 sugestões de decoração para sua mesa de Reveillon. Espero que te inspire!
Aquele jarro transparente que você tem aí na sua casa pode ganhar uma nova cara sendo decorado com frutas, água e algumas flores de sua preferência. Esses com rodelas de laranja ou pequenos limões e alguns tipos de flores mesclados com folhagens podem ser o centro da sua decoração.
Seguindo essa mesma proposta, algumas taças também se transformam em pequenos arranjos
E que tal a carcaça daquele abacaxi que você vai usar a polpa para as delícias da noite servir como um jarro para um belo arranjo de flores? Decoração bem tropical, hein!
Os potes também podem ser utilizados na decoração
Garrafas vazias podem receber alguns arranjos e plaquinhas com desejos de bons sentimentos para 2017
Taças (dos mais variados tipos) podem se transformar em belos castiçais. O detalhe desses aqui são as lentilhas, alimento associado à sorte financeira
Aquelas garrafas vazias que você tem pena de desapegar porque acha que mais cedo ou mais tarde iria usá-las enfim podem dar o ar da graça na sua mesa de Ano Novo. Basta dar uma nova cara com tinta spray em tons dourados e até mesmo um pouco de glitter
Aproveite aqueles famosos bombons de avelã que você ganhou no Natal e ainda não devorou para decorar algumas taças e deixar a mesa de Reveillon com um "tchan" especial. Uns toppers com desejo de bom ano novo darão um charme especial
Letras e números de papelão decorados com dourado podem dar um bom painel de Ano Novo. Você pode lançar mão de glitter, papel laminado ou mesmo paetê

E então, deu para se empolgar? Espero que tenham gostado das nossas dicas.

Beijos

Siga-nos nas redes sociais:
@conversinhademae (no Instagram)
@conversinhadmae (no Twitter)


Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/conversinhademae

Fotos: Pinterest

domingo, 18 de dezembro de 2016

Férias escolares: vamos passear em casa?

Não falei que voltava para trazer mais dicas de férias? Então, a coluna essa semana vai dar mais algumas sugestões. E antes que se assuste com o título acima, não vou sugerir que você pegue a garotada e faça um tour pela sala, cozinha, banheiro, quartos... Não é nada disso. Mas já pensou em aproveitar as férias para conhecer (ou revisitar) alguns espaços aqui mesmo em Sergipe, em Aracaju, mostrando as coisas boas que temos na nossa casa? Afinal, pra ser férias não precisa ter, necessariamente, viagem! Espero que gostem das dicas.

Museu da Gente Sergipana
Se tem um local nessa cidade em que pulsa nossa cultura e tradição, esse lugar é o Museu da Gente Sergipana. Mas, se quem nunca foi acha que vai encontrar lá só coisas antigas, empoeiradas contando a nossa história, está bem enganado. A tecnologia está presente em cada pedacinho do museu. Se prepare para interagir em todos os seus espaços. Lá você vai conhecer mais sobre a linguagem típica do sergipano, sua culinária, cultura, economia, turismo, artesanato, entre tantas outras coisas. O museu fica localizado na Av. Ivo do Prado, 398, Centro, e funciona de terça a sexta, das 19h às 16h, e nos sábados, domingos e feriados das 10h às 15h. Nos dias 24, 25 e 31 de dezembro e 1 de Janeiro o local estará fechado.

Orla de Atalaia
Que tal dar uma de turista e ir curtir os encantos da nossa Orla? Pode ser para uma caminhada, um passeio de bicicleta, um piquenique nos gramados próximo aos lagos ou mesmo para brincar no Maravilhoso Mundo da Criança, tirar fotos no caranguejo gigante ou no monumento que declara seu amor por Aracaju, na região dos arcos. O certo é que esse ambiente próximo ao mar oferece várias possibilidades de passeios. E o que é melhor, sem pagar nada para isso.

Oceanário de Aracaju
Também na Orla, você pode levar as crianças para visitar (ou voltar ao) Oceanário de Aracaju. O local possui cerca de dezenas de espécies marinhas diferentes, todas nativas de Sergipe, expostas em aquários, o maior deles, o aquário oceânico, fica localizado na entrada e possui 150 mil litros, com aproximadamente 30 espécies, incluindo arraias, tubarões, moreias, Os visitantes podem ainda participar do momento da alimentação dos tubarões, que acontece sempre às 16h30. Os mais corajosos não vão querer perder essa parte do passeio. O Oceanário está aberto de terça a domingo e nos feriados, das 9h às 21h. Informações sobre valores de ingressos no 3243-3214.

Parque Aquático Timbó
Localizado a 50km de Aracaju, no município de Salgado, o parque aquático está numa área de preservação permanente e tem uma grande área verde, com muita água corrente e natural onde seus frequentadores podem desfrutar do turismo ecológico, rural e de aventura. Piscina, toboáguas, trilha ecológica, rampa deslizante, tirolesa seca e molhada, pesque e pague e passeio de cavalo são algumas das várias opções do local. O parque funciona aos sábados, domingos e feriados, das 8h às 17h. Mais informações pelos telefones 79 99972-2835 / 99950-9394 / 99134-6500.

Parque da Cidade
Se o dia não estiver tãããão quente, sugiro fazer um passeio até o Parque da Cidade. Gosto do local, mas confesso que nos dias de calor intenso me causa incômodo, embora seja uma área de reserva de Mata Atlântica. O local é convidativo a um piquenique em família e você ainda pode dar uma volta pelo zoológico que reúne cerca de 400 animais de diversas espécies. Há ainda o teleférico, para quem quiser avistar nossa Aracaju do alto. O parque funciona de terça a domingo, incluindo feriados, a partir das 6h e o zoológico abre às 9h.

Parque da Sementeira
Esse é outro espaço de lazer bem legal para curtir com a criançada. Dá para descansar, andar de bicicleta, fazer esportes, piquenique, enfim curtir a natureza. Lá dentro, você acaba perdendo a noção de que está no meio da cidade, de tão agradável que é. Aberto sempre a partir das 6h.

Parque Aquático Boa Luz

Maior complexo de turismo rural do Nordeste, este parque está localizado no meio das serras de Itabaiana e Laranjeiras. Tenha certeza que a criançada vai amar a estrutura de lazer oferecida pela Boa Luz, como parque aquático temático, toboáguas, playground molhado e piscina de ondas. Tem ainda zoológico e fazendinha. O parque está aberto de sexta a domingo e também feriados. Através do 79 3281-4848 dá pra consultar horários de funcionamento.

Beijos

Siga-nos nas redes sociais:
@conversinhademae (no Instagram)
@conversinhadmae (no Twitter)


Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/conversinhademae

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Diabetes infantil: assusta, mas dá para viver com qualidade

Estima-se que, no Brasil, mais de 10 milhões de pessoas vivam com diabetes, segundo dados da Sociedade Brasileira de Diabetes. Muitas delas ainda são crianças. A diabetes tipo 1 é a mais comum entre as crianças e jovens. Em vários desses casos, a descoberta da doença é difícil e demorada. Max David não tinha completado 3 anos, quando a mãe, Andréia Kruger, descobriu, depois de muita insistência, o que realmente seu filho tinha.

Foi uma intensa maratona e não seria exagero dizer que foi graças a seu instinto materno que a diabetes foi descoberta a tempo de ele ter tido consequências mais graves. Ela relata que já eram duas semanas percorrendo todos os hospitais particulares da cidade e vários pediatras e o diagnóstico era sempre o mesmo: infecção urinária. O garoto estava tendo incontinência frequente e perda de peso. Andréia decidiu procurar outro médico e continuou sendo tratado, durante 2 semanas, como sendo incontinência.

“Mas eu estava muito inquieta quanto ao diagnóstico. Até que um dia, na saída do prédio, bati meu carro no de uma mulher. Ela me falou que estava com pressa porque a filha era diabética tipo 1 e ela não podia ficar muito tempo. Até então, não sabia o que era diabetes tipo 1”, relatou. A partir disso, Andréia começou a pesquisar e estudar sobre a doença.

Em mais uma ida ao hospital, novamente a plantonista disse que o menino estava com infecção urinária e iria passar um soro, mas Andréia não aceitou e pediu para medir a glicemia, no entanto a médica se recusou. Mesmo a mãe argumentando que queria saber se o filho tinha algo mais grave, a médica continuou irredutível. “Ele já estava pálido e com muita incontinência. Pedi para que outro profissional atendesse ele. Veio outra médica de plantão e pedi que fizesse a glicemia para saber se tinha diabetes tipo 1, porque o avô dele tinha falecido com diabetes”. Depois de muita insistência, foi feito o exame.

Para surpresa de todos, a glicemia do Max estava bem acima do tolerável e, já em pré-coma, ele foi direto para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). Foram 12 dias de internamento e muitas mudanças repentinas na rotina dele e de toda família. “Quando uma mãe sabe que seu filho é diabético tipo 1 de uma forma agressiva como fiquei sabendo, ele com apenas 3 anos, é como se a terra tivesse te engolindo”, contou. Mas Andreia teve que ser forte para passar força e segurança para o Max David.

O que é
De acordo com informações do Departamento de Endocrinologia Pediátrica da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a diabetes tipo 1 é a que mais acomete crianças e adolescentes. Ele é uma doença autoimune causada pela produção de anticorpos que levam à destruição das células do pâncreas que produzem insulina. Por isso, a pessoa portadora desse tipo de diabetes necessita do uso de insulina para mantê-lo controlado. Por conta disso, como o açúcar que não pode entrar nas células devido à falta de insulina vai aumentando sua quantidade no sangue (hiperglicemia) até chegar a um ponto em que o excesso tem de ser colocado pra fora pela urina. E aí as consequências vêm em cadeia: a pessoa passa a urinar várias vezes e em muita quantidade, tem mais sede, perda de peso (pois as células não podem usar o açúcar e o organismo usa a gordura em substituição, embora tenha muita fome.
Andreia e Max David: parceria para enfrentar a diabetes
A vida da família de Max David deu um giro de 360º depois da descoberta da diabetes. Andréia passou a pesquisar tudo sobre a doença, para saber como lidar e como possibilitar a melhor qualidade de vida para seu filho. Foram mudadas rotina e alimentação, para controlar a glicemia dele. Precisou mudar de escola para encontrar uma disposta a possibilitar ao garoto um dia a dia normal de uma criança, mas com os cuidados que ele requer.

Segundo Andréa, conviver com a doença não é fácil. “É uma bomba-relógio. Você acordar seu filho dando ‘bom dia’ já com duas canetas de insulina e depois mais insulina na hora do almoço, no meio da tarde e à noite mais. É difícil! E furar os dedinhos mais de 10 vezes ao dia? Mas aqui estamos firmes e fortes. Mudamos nossa vida, nossa qualidade de vida, nossos sonhos, vivemos uma nova realidade”, relatou.

“Aprendemos a conviver com a doença. Hoje sou estudantes de nutrição e tenho aprendido muito para ajudar meu filho. A escola que ele está agora abraçou a causa, todos sabem que ele é diabético tipo 1, as professoras ajudam no monitoramento da disciplina e até os amiguinhos já mandam lanchinho diet pra ele, o assunto é tratado na escola que prega sobre a educação em alimentação saudável”, contou a mamãe Andréia Kruger.


10 Coisas que você precisa saber sobre diabetes na infância

1 – O diabetes é uma doença bastante comum. Segundo dados da OMS, pelo menos 170 milhões de pessoas sofrem da doença atualmente. Em 2025, este número deverá atingir 300 milhões de pessoas. No Brasil, cerca de 10 milhões de pessoas têm diabetes e metade delas desconhece sua condição.

2 – Para descobrir se seu filho tem diabetes é importante saber como identificar os sintomas. Alguns deles são caracterizados pelo excesso de sede e de urina, e pela perda de peso. Algumas crianças voltam a urinar na cama ou acordam com frequência para beber água no decorrer da madrugada. Se perceber essas ocorrências, é fundamental consultar um endocrinologista pediatra de imediato.

3 – O tratamento para o diabetes pode ser ou não efetuado através da aplicação de insulinas, sendo essencial a avaliação com um endocrinologista pediátrico.

4 – A dedicação e o carinho por parte da família é fundamental para crianças com diabetes, principalmente por parte dos pais. Eles que devem sempre ficar atentos em manter uma frequência nas consultas médicas para saber se a criança está com uma velocidade adequada do aumento de peso e altura e também para ajustes na terapia insulínica, que varia de acordo com as fases do desenvolvimento.

5 – A automonitorização da glicemia, a educação em diabetes, a prática de atividade física e o controle nutricional são necessidades comuns e importantes em qualquer faixa etária de pacientes com diabetes tipo 1, tanto nas crianças quanto nos adultos, e precisa fazer parte da rotina de tratamento.

6 – É importante a ajuda dos pais na inclusão da automonitorização no dia a dia do paciente, realizada de forma natural e sempre envolvendo seu filho nas decisões tomadas.

7 – Nem sempre a criança entende ou aceita bem a doença. Por conta disso, se necessário, deve ser feito acompanhamento de um psicólogo.

8 – Realizar a integração dos pacientes com outras crianças que também possuem diabetes, através de encontros, associações e acampamentos é um ótimo meio de, além de ajudar seu filho a lidar com a questão, ensiná-lo e educá-lo mais sobre o assunto.

9 – É fundamental que os pais evitem a superproteção e a discriminação no processo de aceitação.

10 – Após a infância e adolescência, os cuidados devem continuar os mesmos, mas o paciente deve ser encaminhado para um ambulatório de transição, onde o endocrinologista pediátrico e o endocrinologista adulto atendam simultaneamente a criança.


Fonte: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

Beijos

Siga-nos nas redes sociais:
@conversinhademae (no Instagram)
@conversinhadmae (no Twitter)

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/conversinhademae