quarta-feira, 23 de março de 2016

Medo de uma mãe de ruivinha

Minha ruivinha. Foto: Brenda Pereira
Faltavam poucos dias para minha ruivinha ter a sua primeira experiência fora do nosso círculo familiar, com a ida à escola, quando eu li uma matéria com o relato de uma mãe sobre a discriminação sofrida por seu filho ruivo, de apenas 3 anos. Imagine, você estar em num ambiente público, com seu pequeno, quando, de repente, um garoto louco aparece e dispara palavras intolerantes, ameaçadoras, por conta da cor do cabelo da criança? Um absurdo, né?

Confesso que fiquei de certa forma abalada. Durante três anos Rebeca tinha ficado apenas debaixo das nossas asas, sem tanto essa convivência externa e já ficava pensando como seria a reação de outras crianças quando ela fosse à escola. O cabelo vermelhinho dela chama muita atenção. Não tem como não perceber os olhares, os comentários e as perguntas quando estamos com ela em lugares públicos. Até aí tudo bem, mas qual mãe quer ver seu filho sendo discriminado? Na expectativa de saber como poderia ser essa reação e se viveram alguma situação de preconceito, o blog Conversinha de Mãe conversou com uma ruiva e uma mãe de ruiva.

A diretora Comercial Elisangela Brota é mãe de Sarah, uma linda ruiva, hoje com 17 anos. Ela contou que a filha nunca foi vítima de discriminação em função da cor dos seus cabelos, nem mesmo na escola, onde, normalmente, costuma ser mais frequentes esse tipo de bullying. Mas revela que o fato de ser filha de uma negra causa espanto nas pessoas. “Ela (Sarah) não consegue entender o motivo, pelo fato de ser completamente normal para ela a questão da miscigenação racial”, disse.
Sarah sempre gostou de ser ruiva
Elisângela contou que Sarah sempre gostou de ser ruiva e a questão do preconceito sempre foi tratada na família de forma leve e transparente. “Quando as sardas começaram a aparecer ela ficou incomodada, mas essa fase já passou”, disse a mamãe. Elisângela tem outra filha, a Larah, que não é ruiva, e já passou por inúmeras situações bem comuns a mães e pais de ruivos. “Sempre procurei enfrentar tudo com muita leveza e humor... Certa vez, Sarah com 5 meses, me perguntarem qual a tinta que eu passava no cabelo dela”, disse. Confesso que eu já tive que responder váááárias vezes essa mesma pergunta também.
Catarina: ruiva natural, com muito orgulho!
A jornalista Catarina Gonçalves contou que pelas histórias que sua mãe relata desde bebê ela sempre chamou muita atenção pela cor do cabelo. As pessoas chegavam a pará-la no meio da rua para perguntar se ela pintava o cabelo da menina. “Pergunta bem sem noção, por se tratar de uma criança, mas ela conta que acontecia muito”, disse. Pois é! E o questionamento ainda acontece. “Acho que o que mais ouço é ‘seu cabelo é natural?’. E eu respondo cheia de orgulho: ‘claro!’”.

Catarina disse que não se recorda de ter vivenciado nenhum tipo de discriminação na escola. Bullying não era um termo muito ouvido naquela época (nem tão longe assim, vamos combinar!). “Se acontecesse algo era apenas ‘coisas de crianças’. O único apelido que me recordo é ‘cabelo de fogo’, mas isso nunca me incomodou”, completou.

A cor do cabelo possivelmente foi “herança” do avô, que é levemente ruivo. E, na família, o presente ficou apenas para Catarina. “Espero que minha filha ou filho também seja”, disse. A cor de cabelo diferente das outras crianças nunca foi problema para ela. Pelo contrário! “Sempre gostei de ser a única com o cabelo diferente entre as minhas amigas. Lembro que ao entrar na adolescência via minhas amigas começando a pintar os cabelos de loiro, de preto, etc, e cheguei a me questionar como seria se um dia eu tivesse vontade de pintar o meu. Mas essa fase logo passou e a vontade de pintar nunca apareceu.

Diferente de tempos passados, o que se percebe hoje é uma “exaltação” aos tons ruivos de cabelo. Catarina confirmou que percebe isso, sim! “Acho que muito por conta da mídia, que ultimamente vem dando mais destaque a mulheres ruivas em novelas, propagandas, filmes e etc. E, como tudo que está na TV o povo quer copiar, parece que ser ruiva ‘tá na moda’.

Conviver com as diferenças
Felizmente, hoje, já passados dois meses depois da chegada de minha Rebeca à escola, posso dizer que estou aliviada porque não aconteceu nada, embora os cachinhos ruivos despertem a atenção de muita gente. Mas, estando na moda ou não a cor dos cabelos dela, da Sarah e da Catarina, o fato é que algumas crianças (principalmente elas!) sofrem bullying por conta de alguma característica diferente que tenham. Sejam os mais gordinhos, negros, porque usam óculos, porque têm outro sotaque, um credo diferente enfim... Cabe a nós, pais e responsáveis pela formação dessas crianças, ensinar (e, principalmente, mostrar em nossas ações) que devemos conviver com as diferenças e, mais que tudo, RESPEITAR TODAS AS PESSOAS.

É como falou Elisângela Brota: “O preconceito nasce no seio da família. Se soubermos conduzir os acontecimentos sem vitimização, sem agressão e com bom humor, construiremos com certeza um ser humano sem barreiras. Sou descendente de negros e índios e as minhas filhas são descendentes de negros, índios e alemães. Elas cresceram sem visualizar essas diferenças, foram criadas para observar o caráter e não a cor da pele”, relatou.

Beijos

Siga-nos nas redes sociais:
@conversinhademae (no Instagram)
@conversinhadmae (no Twitter)


Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/conversinhademae

Nenhum comentário:

Postar um comentário