terça-feira, 16 de setembro de 2014

Atenção aos problemas nos rins e à pressão alta nos pequenos

Problemas de saúde a gente sempre torce para que passem bem longe das nossas crianças. Mas sempre é bom estar atento para alguns sintomas e assim detectar desde o início se eles se manifestarem e assim tratar. Mesmo que não seja em alta incidência, problemas nos rins e de pressão alta acometem crianças e requerem muita atenção.

Hoje o blog traz algumas orientações dadas pelo Departamento de Nefrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) nesse sentido. O sangramento urinário pode variar do vermelho vivo ao marrom escuro, dependendo de algumas características próprias da urina e do local de origem do sangramento. O sangramento urinário deve ser confirmado por um exame de laboratório para se ter certeza de que é mesmo sangue e não outra alteração da urina. Determinados remédios, alguns antibióticos, vitaminas do complexo B, alimentos como beterraba e frutas vermelhas podem deixar a urina mais avermelhada.

As principais causas do sangue na urina
De forma geral, pode-se dizer que quando o sangramento ocorre sem outros sintomas como inchaço, febre, mal estar e alteração do volume urinário, a causa mais provável estará relacionada ao aumento do cálcio na urina. A “hipercalciúria” – como se diz – acontece muito em familiares com antecedente de ‘pedras’ ou cálculo nos rins. Porém, se o sangramento vem acompanhado por um ou mais dos sintomas acima citados, a causa mais provável será secundária a “doenças inflamatórias” dos rins.

Em ambas as situações os antecedentes de doenças renais no paciente e/ou na família são aspectos muito importantes para a determinação da causa do sangramento. Pode-se dizer que em várias situações, o sangramento é transitório e não define nenhuma causa específica, apresentando, na maioria dos casos, uma evolução benigna. Mas, de qualquer forma, todo sangramento na urina deve ser investigado pelo pediatra ou nefrologista pediátrico, sem demora.

Fralda descartável não causa infecção do trato urinário
Se a fralda é mal feita, ou se o organismo da criança tem alergia a alguma matéria-prima utilizada na fralda, ela poderá ter reações alérgicas, assaduras, infecções externas e dermatites de contato na região do períneo ou da genitália. Não há relação entre infecção do trato urinário e o uso de fraldas descartáveis.

Infecção no trato urinário deve ser investigada
Se seu filho teve infecção no trato urinário, deverão ser investigadas malformações e a presença de lesões e cicatrizes nos rins.

Criança pode ter pressão alta
A hipertensão arterial na criança e no adolescente tem duas causas principais:

A hipertensão é primária quando a família da criança (pais, tios, etc.) tem história de hipertensão ou se ela tem outros fatores relacionados como, por exemplo, a obesidade ou o sedentarismo.

A criança pode ter hipertensão secundária, que é causada por doenças que provocam a pressão elevada. Estas podem estar relacionadas com doenças renais ou nos vasos sanguíneos, por problemas cardiovasculares, endócrinos, por tumores ou outras condições clínicas menos frequentes.

Pressão normal varia com a idade da criança
A pressão arterial normal na criança varia com a idade, o sexo e a altura, sendo utilizados dados epidemiológicos comparativos. A determinação da pressão arterial envolve mensuração, técnica e interpretação adequada. O diagnóstico só pode ser dado pelo médico.

Os valores normais de pressão arterial constam de gráficos e tabelas conhecidas e divulgadas na literatura médica. Existem gráficos para crianças no primeiro ano de vida e tabelas para crianças e adolescentes de um a 17 anos de idade. Após os 18 anos a pressão arterial passa a ser classificada como estabelecida aos valores do adulto.

Alguns fatores aumentam o risco de uma criança ou adolescente apresentar ou mesmo desenvolver hipertensão arterial
Alguns fatores não podem ser modificados como, por exemplo, a hereditariedade e a raça. Existe maior risco de pressão alta em quem tem pais com hipertensão e na raça negra, por exemplo. Entretanto, outros fatores podem ser controlados. Dentre esses últimos, podemos citar: o excesso de peso, a inatividade física, o excesso de sal na dieta alimentar e o estresse, entre outros.

Quando os pais devem suspeitar que seu filho pode ser hipertenso?
A melhor forma de saber se o seu filho apresenta hipertensão arterial é medindo sua pressão. Médicos e enfermeiros treinados podem medir e interpretar a pressão das crianças e adolescentes usando equipamentos adequados. A grande maioria de crianças e adolescentes hipertensos não apresenta nenhum sintoma. Alguns pacientes, dependendo de antecedentes pessoais, do quadro familiar e das condições clínicas de base, poderão apresentam maior risco de hipertensão. Neste caso, recomenda-se medir a pressão com frequência, durante a consulta médica.

Alguns dos sintomas e sinais que crianças e adolescentes com hipertensão podem apresentar são: tonturas, sensação de falta de ar, palpitações, náuseas, dor de cabeça persistente, fadiga recorrente, problemas cardíacos, problemas neurológicos e alterações da visão, entre outros.

Portanto, a gente deve ficar bem atento à saúde de nossos pequenos.

Beijos

@conversinhademae (no IG)
@conversinhadmae (no Twitter)


Fonte: Departamento de Nefrologia da SBP

Nenhum comentário:

Postar um comentário