quarta-feira, 21 de maio de 2014

Especialista explica Transtorno do Déficit de Atenção

Você conhece alguma criança que tem dificuldade em manter a atenção, o foco e a concentração em atividades do dia a dia? Pois isso tem nome, é um problema de saúde e deve ser tratado por um pediatra em conjunto com um psicólogo. Em entrevista exclusiva ao Revista da Cidade*, a psicóloga Fernanda Dória, especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental, conta detalhes do transtorno que afeta crianças e pode prejudicar até no rendimento escolar. 
Psicóloga Fernanda Dória
O que é Transtorno do Déficit de Atenção numa criança? É o mesmo que hiperatividade?
Fernanda Dória - O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é uma desordem mental com prevalência em crianças e adolescentes, é caracterizado pela falta de atenção, hiperatividade e impulsividade. Já o transtorno é subdividido em TDAH predominante, onde o indivíduo possui a hiperatividade com mais intensidade, e o TDAH combinado, onde há a mistura de hiperatividade e déficit de atenção. As crianças que sofrem apenas de desatenção sem grau elevado de hiperatividade recebem o diagnóstico de Distúrbio de Déficit de Atenção (TDA), sendo um subtipo do TDAH.

Como os pais podem detectar algum sintoma?
FD - É possível detectar alguns sintomas, principalmente em conjunto com a escola, pois a criança com TDAH tem dificuldade em manter a atenção nas atividades escolares, em permanecer sentada por muito tempo na cadeira, por exemplo. Tem dificuldade em organizar as tarefas escolares, parece não escutar quando lhe dirigem a palavra, não segue instruções, não termina atividades escolares, entre outros sintomas. Os pais podem procurar um pediatra ou um psicólogo. Estes sinais não devem ser ignorados.

A partir de que idade os sintomas costumam aparecer?
FD - Os sintomas se iniciam nos primeiros anos da infância, mas são identificados mais tardiamente, tanto em casa como na escola. O distúrbio é mais observado na escola, pois é o período no qual as dificuldades de atenção e inquietude são notadas pelos professores, quando comparadas às outras crianças da mesma idade. No ambiente escolar são mais fáceis de serem notados.

Só é considerado um problema quando começa a atingir o dia a dia da criança? Que tipos de dificuldades uma criança pode passar na escola?
FD - É comum que as crianças não queiram estudar, achar que não são capazes e se sentirem inferiores aos seus colegas de classe. Não significa que a criança com TDAH seja menos inteligente que os outros colegas, o desempenho escolar abaixo da média pode ocorrer pela falta de concentração, impulsividade e hiperatividade.

Quais as causas do transtorno?
FD - A causa exata do transtorno é desconhecida. Estudos indicam que o TDAH pode ser hereditário e há a hipótese do desenvolvimento anormal do cérebro, onde algumas substâncias químicas podem estar alteradas.

Quais os tratamentos indicados?
FD - É indicado tratamento psicológico na abordagem cognitivo-comportamental para que a criança e os pais aprendam a lidar e controlar seus sintomas à frente de situações cotidianas. É fundamental o acompanhamento neuropediátrico com possibilidade de medicação.

Como é feito o diagnóstico?
FD - É necessário realizar uma entrevista com os pais, com a criança e com os professores da escola a fim de obter dados do seu comportamento. Na entrevista, os pais precisam informar o histórico do desenvolvimento, médico, escolar, familiar, social e psiquiátrico da criança. A escola complementará a avaliação fornecendo informações do comportamento da criança no ambiente escolar. O desempenho escolar deve ser levado em conta, pois, geralmente, crianças com TDAH apresentam uma baixa nas notas.

Em alguns casos, além da psicoterapia, é indicado o uso de remédios em crianças?
FD - Sim, em alguns casos ocorre a necessidade do uso da medicação prescrita por um médico. Ela não irá melhorar o comportamento da criança, mas irá controlar os sintomas do TDAH, melhorando a concentração e controle dos seus comportamentos.

É possível que, com o passar dos anos, o problema se dissipe por conta própria?
O quanto antes for iniciado o diagnóstico, melhor. É possível que um adulto com TDAH controle sua impulsividade e sua falta de atenção, mas o transtorno não será totalmente controlado, podendo haver o surgimento de co-morbidades como depressão e ansiedade.

Beijos

@conversinhadmae

Psicóloga Fernanda Dória (fernandadoriaf@gmail.com), especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental na Clínica Oralclin (79 3211-6277).

* Entrevista publicada originalmente no caderno Revista da Cidade, do Jornal da Cidade, do dia 18/05/2014. Texto: Lara Aguiar. Foto 2: Jadilson Simões

Nenhum comentário:

Postar um comentário