terça-feira, 9 de abril de 2013

Rótulos de repelentes de insetos não poderão ter apelo infantil


 
Rótulos dos repelentes infantis
terão que passar por adequações
Para garantir a segurança principalmente de crianças, os repelentes contra insetos utilizados na pele não poderão ter mais imagens e figuras de apelos infantis, mesmo os que são indicados para uso em crianças. O novo regulamento para esses produtos, enquadrados na categoria dos cosméticos, foi aprovado na reunião pública realizada na segunda-feira passada, dia 8, entre os diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O objetivo da Anvisa é fazer com que os rótulos desses produtos sejam mais claros para o consumidor. A gerente-geral de Cosméticos da Anvisa, Josineire Sallum, ressaltou que mesmo os repelentes para uso infantil são tóxicos e por isso devem ser aplicados por um adulto. Segundo ela, a medida busca prevenir acidentes, já que o uso de imagens e figuras de apelo infantil podem despertar o interesse das crianças.

Mesmo com o novo regulamento, os fabricantes poderão continuar utilizando cores e dizeres apropriados para distinguir o produto de uso adulto e o de uso infantil. De acordo com o diretor-presidente da Anvisa, Dirceu Barbano, a medida reflete uma preocupação da Agência em zelar pelo público mais vulnerável.

“Há muitos aspectos que contemplam o universo infantil; esse cuidado é importante em todo o produto destinado às crianças, quer seja cosmético, alimento ou medicamento. Não podemos induzir uma criança a beber um produto por ele ter um aroma gostoso, isso é arriscado, ele pode ser tóxico”, explicou Barbano.

Outra mudança diz respeito aos rótulos dos produtos com o ingrediente conhecido como Deet. Neste caso, os repelentes deverão trazer um alerta específico para o uso em crianças, destacando que o produto não deve ser utilizado em menores de dois anos. O rótulo também deverá deixar claro que o produto não deve ser utilizado mais do que três vezes ao dia em crianças de dois a 12 anos. Os fabricantes terão 18 meses para se adequar às novas regras, a partir da publicação da medida no Diário Oficial da União.

Beijos

@conversinhadmae

Com informações da Imprensa da Anvisa

Nenhum comentário:

Postar um comentário