terça-feira, 12 de março de 2013

Leucemia na infância

Hoje, o blog Conversinha de Mãe traz um texto bem esclarecedor feito pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) sobre a ocorrência de leucemia na infância. Apesar de ser o tipo de câncer mais comum em crianças, a leucemia é muito menos frequente do que as infecções, alergias e anemias comuns na infância. Pode atingir crianças de todas as idades, porém sua ocorrência é mais comum entre os dois e cinco anos e costuma aparecer rapidamente, em poucas semanas. Nos adultos, ela ocorre de forma crônica e mais arrastada.
 
A leucemia afeta a produção dos glóbulos brancos, células do sangue produzidas pela medula óssea e que nos protegem de infecções. Como existe mais de um tipo de glóbulo branco, as leucemias são classificadas de acordo com a célula afetada. Nas crianças, o tipo mais comum é a leucemia linfocítica aguda.
 
Pouco se sabe sobre as causas que contribuem para o surgimento da leucemia. Entre os fatores conhecidos estão: altas doses de irradiação (por exemplo, após acidente nuclear ou radioterapia); algumas substâncias tóxicas como o benzeno e quimioterápicos; e fatores genéticos que aumentam a predisposição, como a Síndrome de Down. Entretanto, na grande maioria dos casos, não se conhece nem se identifica uma causa para o surgimento da doença.
 
Nas crianças, as manifestações das leucemias surgem rapidamente e são relacionadas ao mau funcionamento da medula óssea e do sistema imunológico. Com frequência, a criança apresenta anemia, fraqueza, dor nos ossos e articulações, febre e sangramentos. No exame físico, o médico identifica palidez da pele e mucosas, aumento do fígado, do baço e dos gânglios linfáticos (ínguas), hematomas e pontos vermelhos pelo corpo.
 
É importante ressaltar que estes sintomas e sinais são comuns também em outras doenças; no entanto, nos casos de leucemias, eles persistem e se intensificam em poucas semanas, enquanto que em outras doenças inflamatórias ou infecciosas os sintomas tendem a melhorar progressivamente.
 
Na suspeita de leucemia, o exame de sangue traz muitas informações úteis, como indicação de anemia, redução do número de plaquetas e alterações no número total e dos diferentes tipos de leucócitos (contagem diferencial). O exame de sangue também pode mostrar a célula leucêmica, porém a confirmação do diagnóstico deve ser feita através do exame da medula óssea. Esse exame permite a identificação correta da leucemia através da análise da morfologia das células, suas características imunofenotípicas e moleculares. Todas essas informações serão muitos importantes para planejar o tratamento adequado.
 
Atualmente, as leucemias das crianças são doenças potencialmente curáveis. Acredita-se que mais de 80% dos pacientes vão ficar curados após o tratamento baseado em quimioterapia. Os medicamentos são desenvolvidos para destruir as células doentes, e são usados em conjunto e em rodízio por aproximadamente dois anos. É muito importante que o tratamento da leucemia e o acompanhamento médico sejam feitos em centros especializados, onde se registram altas taxas de cura.
 
Beijos
 
@conversinhadmae

Fonte: Departamento Científico de Onco-Hematologia da Sociedade Brasileira de Pediatria

Nenhum comentário:

Postar um comentário