quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Dor e dó de mãe


Essa semana fiquei com o coração na mão. Com dois meses, minha Rebeca teve que ir à unidade de saúde tomar as vacinas previstas no calendário básico para essa idade. Meu Deus, dá dó! São nada mais, nada menos que quatro vacinas. Três delas injetáveis na perninha (pentavalente, pólio e pneumocócica 10) e uma oral (rotavírus). Dá uma pena danada, porque são vacinas que dão reação. Mas mesmo com muita peninha não dá pra deixar de vacinar. É a saúde dela que está em jogo.

A enfermeira logo avisou que as vacinas dão reação. Em algumas crianças, ela pode ser pesada, com febre, enjoo, falta de apetite, irritação, falta de sono, entre outros. Posso me considerar uma felizarda. Além de dor local (que exige que sejam feitas algumas compressas com gelo ao longo do dia), minha pequena quase não teve reação. Nada de febre, falta de apetite ou de sono. Para minha surpresa, dormiu tranquilamente a primeira e segunda noite seguinte à aplicação da vacina. Muito obrigada, meu Deus!!!!

Principalmente no primeiro ano de vida as vacinas são fundamentais para a vida da criança. Deixam ela protegida para não ser atacada por doenças como poliomielite, meningite, hepatites, rotavírus, pneumonia, entre outras.

Aqui em Sergipe, esta semana a Secretaria de Estado da Saúde (SES) reuniu representantes das Secretarias municipais de Saúde para orientar os técnicos quanto às alterações da idade para aplicação da vacina tríplice viral, que protege o cidadão contra o sarampo, caxumba, rubéola e do rotavírus.

De acordo com uma nota técnica emitida pelo Ministério da Saúde (MS), a primeira dose da vacina contra o sarampo passa a ser aplicada em crianças com 12 meses de idade e a segunda dose, com 15 meses. As crianças levadas aos postos de saúde após os 14 meses de idade deverão receber a segunda dose 30 dias depois da primeira. A gerente do Programa Estadual de Imunização, Sândala Oliveira, disse que antes das novas orientações, válidas a partir deste mês, a vacina contra o sarampo era aplicada aos 12 meses e quatro anos de idade.

Quanto ao rotavírus, as duas doses continuam sendo aplicadas, porém as crianças que devem tomar a vacina estão na faixa etária entre um mês e 15 dias de vida e três meses e 15 dias. A segunda dose deve ser aplicada entre os três meses e 15 dias até sete meses e 29 dias. O intervalo mínimo entre as doses deve ser de 30 dias.

Então, mesmo com dor no coração a gente tem que levar nossos pequenos para vacinar e estar sempre atenta à caderneta de vacinação deles, para que não deixe nenhuma dose de imunização atrasada. Veja abaixo o calendário básico de vacinação ofertada pelo Ministério da Saúde, já com as novas vacinas que foram incorporadas no ano passado.


Beijos

@conversinhadmae

Nenhum comentário:

Postar um comentário