sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Alerta: parto prematuro é a 2ª causa de morte entre crianças pequenas


Um estudo recente da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostrou que, todos os anos, 15 milhões de bebês no mundo nascem antes do tempo. O Brasil aparece como o décimo país com maior incidência, registrando cerca de 279 mil partos prematuros. Além dos riscos para as mães, a prematuridade é a segunda causa de morte de crianças com menos de cinco anos de idade, ficando atrás somente da pneumonia.

Segundo o especialista em gestação de alto risco Dr. Antônio Moron a prematuridade é definida quando o nascimento do bebê ocorre com menos de 37 semanas completas de gestação (259 dias) contados a partir do último dia do período menstrual. “Suas causas mais comuns são gravidez múltipla, fatores socioeconômicos, sangramento vaginal persistente, predisposição genética, incompetência istmocervical (quando a gestante apresenta dilatação do colo do útero já nos primeiros meses de gestação), distúrbios emocionais e infecções, além de causas desconhecidas” explicou Moron.

Para os bebês, as consequências podem representar um grave risco de mortalidade neonatal, além de problemas de saúde que incluem síndrome do desconforto respiratório e hemorragia intracraniana. Por esse motivo, a infraestrutura da maternidade onde ocorre o nascimento é essencial, já que esses recém-nascidos requerem maior assistência, principalmente quando apresentam baixo peso.

De acordo com o profissional, levando em conta a preservação do feto, muitos obstetras lançam mão de tratamentos, buscando prolongar o tempo de gestação para que chegue o mais perto possível dos nove meses. “Um exemplo de prevenção durante o período de pré-natal é o combate a qualquer tipo de infecção, já que durante a gestação pode trazer riscos de parto prematuro por estimular as contrações uterinas. Outro exemplo é a cirurgia chamada cerclagem que pode ser utilizada, dependendo do caso. Na operação, feita durante a gravidez, é feito um ponto em volta do colo do útero que deixa o local fechado até o dia do parto” esclarece o médico.

“É possível ter o controle do parto prematuro e geralmente é feito com drogas tocolíticas cujo objetivo principal é postergar o nascimento e aumentar a possibilidade de nascimento do feto sem sequela” finaliza o profissional.

Beijos

@conversinhadmae

Nenhum comentário:

Postar um comentário