sábado, 11 de fevereiro de 2012

Cuidados com a meningite

Aqui no nosso Estado, Sergipe, estamos – principalmente as mães e pais – passando por um momento de apreensão. É que houve um surto de meningite que atingiu três municípios – a capital Aracaju, Areia Branca e São Cristóvão. Do final do mês de janeiro e início de fevereiro foram registrados 11 casos da doença. Houve quatro mortes, sendo três por meningite do tipo C e uma do tipo B.

É, por mais que as autoridades da Saúde digam e reafirmem que a situação está sob controle, porque já há vários dias não houve novos casos ou mortes, não tem com não ficar apreensivo com a palavra surto. É fato! A preocupação é tanta que houve uma verdadeira corrida às clínicas particulares em busca da vacina contra a meningite C, que não é disponibilizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para crianças acima de dois anos, que a vacina já está em falta há alguns dias. Graças a Deus vacinei Bia no ano passado Mas os médicos dizem que nessa situação o uso não está indicado.

No Brasil, a meningite é uma doença endêmica. A ocorrência de casos pode acontecer o ano inteiro, principalmente no inverno, sendo frequente a ocorrência de surtos comunitários ou institucionais. A doença meningocócica é a principal forma de meningite bacteriana, sendo o sorogrupo C o de maior prevalência na maioria das regiões do país e responsável pela maioria dos surtos.

As meningites podem ser causadas por diversos agentes infecciosos, como bactérias, vírus e fungos, dentre outros, e agentes não infecciosos. As meningites de origem infecciosa são as mais importantes do ponto de vista da saúde pública, pela magnitude de sua ocorrência e potencial de produzir surtos.

Para evitar tanto pânico, é importante estar atento a algumas orientações passadas pela Secretaria de Estado da Saúde:

- Quem apresentar os sintomas da doença (febre, dor de cabeça, rigidez de nuca, dor abdominal, vômitos, manchas pelo corpo, entre outros) deve buscar, imediatamente, atendimento médico. Quanto mais precoce o diagnóstico for realizado maior é a chance da doença não ter complicações ou óbitos;

- Para prevenir a meningite meningocócica é importante adotar alguns cuidados como evitar aglomerações em locais fechados, evitar contato direto e exposição às gotículas de saliva do doente e manter os ambientes domiciliares escolares e ocupacionais bem ventilados.

Fica então a dica.

Beijos

@conversinhadmae

Nenhum comentário:

Postar um comentário