terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Confraria das Vovós e chocolate


Vamos combinar, existe coisa mais fofa que as vovós? Lógico que não. Elas conseguem ter um amor maior que o de mãe e não fazem cobranças, pelo contrário. Deixam os netinhos à vontade, com elas eles fazem tudo que querem (cá pra nós, para o desespero de nós mães). Quando a gente pensa em vovós só vêm a mente coisas boas, fofas, gostosas. Agora, imagine a delícia de uma mistura de vovó e chocolate. Imbatível, né?

Pois é, este ano, dentro da programação da Páscoa em Gramado (RS), o Chocofest, será lançada a Confraria das Vovós, no período de 21 a 25 de março. A confraria surgiu da experiência vivenciada pela chef Rita Gargioni como avó, que antes já tinham gerado o site Socorro Vovó e o livro Socorro Vovó – Mamãe não sabe fazer papinha.

Com o perdão do trocadilho, a programação de lançamento da Confraria das Vovós está uma delícia. A chegada das participantes está prevista para o dia 21 e no dia segunte já tem início as atividades, que de cara terá um bate papo, muito bem denominado de “Tricotando” com a chefe Rita Gargioni sobre “Facebook, blogs, twitter – o mundo tecnológico em nossas mãos”, com a participação da gourmet e professora de gastronomia Maria Teresa Pessano

A programação ainda tem momentos dedicados às comprichas (amo!!!!), bate papo motivacional, dança, happy hour, baile de máscaras e um dos momentos que devem ser dos mais emocionantes: assistir ao desfile “Um ChocoAmor à Terra”.

E aí, vovós, ficaram animadas com a Confraria da Vovó. Eu amei. Ah.. como eu queira poder participar dessa programação do Chocofest em Gramado. Com certeza, vai ser uma delícia.

Beijos

@conversinhadmae

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Dica de mãe – lencinhos de bolsa

Quem anda com criança é quase inevitável não se sujar. Por isso sempre carrego comigo na bolsa algum tipo de lenço. Seja de papel ou umedecido eles são uma mão na roda.  Os de papel não faltam nunca na minha bolsa. Mas outro dia numa ida despretenciosa a uma loja de cosmético achei uma versão de lencinho umedecido que achei bem legal.


Numa embalagem pequena, em formato de uma latinha de refrigerante (só que bem menor), ele traz 30 lencinhos umedecidos, de 14x7cm, que podem ser transportados facilmente na bolsa. Para pegar os lencinhos, basta abrir no local que se assemelha ao lacre da latinha de refri.

São bem charmosinhos. As latinhas têm rótulos com várias estampas, pra combinar com o estilo da usuária. Tem a mais clássica, a mais jovem, uma com caveirinha (que não resisti e comprei um e dei para minha colega Marcia Pacheco, do blog Casa de Paetê), entre outras. Os lencinhos são fabricados pela Ricca, que tem vários produtos cosméticos e acessórios.

Fica então mais uma dica de mãe.

Beijos

@conversinhadmae

Recall do Tylenol não atinge o Brasil


Em meio à preocupação com a dengue que atinge todo país, fomos pegos pela surpresa de um recall de frascos de um dos medicamentos mais utilizados em crianças. Semana passada, a Johnson & Johnson anunciou o recall de 574 mil frascos do Tylenol infantil líquido sabor uva vendido nos Estados Unidos.

O problema para que seja feita a devolução dos medicamentos é no sistema de dosagem do frasco do remédio. A empresa fabricante garante que não há problemas no remédio em si que causem efeitos colaterais em bebês menores de dois anos de idade que o utilizem. A questão é que ultimamente a Johnson tem feito alguns recalls do próprio Tylenol e outros produtos fabricados por ela.

Sobre o Tylenol, em comunicado oficial divulgado no site da J&J do Brasil, no final do mês passado, a empresa esclarece que com relação ao recall de Tylenol que acontece nos Estados Unidos e em alguns outros países nenhum dos lotes retirados do mercado foi comercializado no Brasil. Informa ainda que o medicamento vendido no Brasil é em sua grande maioria fabricado aqui mesmo no país, na fábrica da Johnson & Johnson em São José dos Campos.

“Além disso, TYLENOL® também conta com rigorosos padrões de qualidade e sistemas de rastreamento que permitem a localização de cada produto produzido no Brasil e no mundo. Fatos que comprovam a qualidade e procedência dos produtos da linha TYLENOL®.”, diz o comunicado. A empresa tenta tranquilizar os consumidores a continuar usando o medicamento tranquilamente, sempre seguindo as recomendações da bula ou as orientações de seus médicos.

A orientação para os consumidores que tenham comprado algum produto da linha TYLENOL® nos Estados Unidos, Canadá, Porto Rico, Guatemala, Fiji, Trinidad e Tobago, República Dominicana, Uruguai, Emirados Árabes e Ilha de Guam é que, em caso de dúvida entrem em contato com a J&J pelo telefone 0800 728 6767.

Vale a pena lembrar que este ou qualquer outro remédio não deve ser usado indiscriminadamente. Ou seja, somente seguindo orientação médica.


Beijos

@conversinhadmae

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Cuidado com a dengue, nunca é demais


Aqui no Estado onde moro (Sergipe), esse final de verão tem sido de muuuito calor e nesses últimos dias de chuvas repentinas. A gente sabe que essa combinação é um prato cheio para a proliferação do mosquito aedes aegypti, transmissor da tão temida dengue.  Portanto, nunca é demais lembrar que todo cuidado é pouco para evitar que a doença se crie dentro da nossa casa.

Esse clima é favorável ao surgimento de focos do mosquito transmissor da dengue, porque o aedes gosta e se desenvolve em locais que acumulem água. Por isso é tão importante não deixar nenhum objeto em condições que acumule água parada. Essa é a forma mais eficaz de prevenir a doença. São cuidados simples e que cada um pode adotar. No final das contas, o benefício será para todos.


O blog Conversinha de Mãe traz algumas medidas simples recomendadas pelo Ministéiro da Saúde para que você mantenha bem longe o mosquito da dengue:

- Não deixe água acumulada sobre a laje;
- Jogue no lixo todo objeto que possa acumular água, como embalagens usadas, potes, latas, copos, garrafas vazias etc;
- Guarde garrafas, para retorno ou reciclagem, emborcadas e em local em que não acumulem água;
- Coloque o lixo em sacos plásticos e manter a lixeira bem fechada;
- Não jogue lixo em terrenos baldios;
- Mantenha o saco de lixo bem fechado e fora do alcance dos animais até o recolhimento pelo serviço de limpeza urbana;
- Mantenha a caixa d’água completamente fechada para impedir que vire criadouro do mosquito;
- Mantenha bem tampados tonéis e barris d’água;
- Encha de areia até a borda os pratinhos dos vasos de planta ou lavá-los com escova, água e sabão semanalmente;
- Lave semanalmente por dentro, com escova e sabão, os tanques utilizados para armazenar água, bem como outros utensílios utilizados para guardar água em casa, como jarras, garrafas, potes, baldes etc.;
- Remova folhas e galhos e tudo o que possa impedir a passagem da água pelas calhas;
- Se você tiver vasos de plantas aquáticas, troque a água e lavar o vaso, principalmente por dentro, com escova, água e sabão, pelo menos, uma vez por semana;

É importante também estar alerta aos sintomas da dengue, que são febre alta, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, dor no corpo e nas juntas e manchas vermelhas no corpo. Caso eles surjam, procure imediatamente uma unidade de saúde, pois você pode estar com dengue. E se a pessoa já tem o diagnóstico de dengue e apresentar um ou mais sintomas como dores abdominais, vômitos ou qualquer tipo de sangramento deve retornar o mais rápido possível à unidade de saúde, porque a doença deve estar evoluindo para a forma grave. Infelizmente, a dengue pode matar, por isso é preciso se cuidar.

Diagnosticada a doença, a pessoa deve manter-se em repouso, beber muito líquido e só tomar os medicamentos pasados pelo médico para aliviar as dores e a febre. Nada de se automedicar. No mais, é desejar que todos estejam alerta, adotem as medidas de combate e deixar a dengue bem longe de casa.

Beijos

@conversinhadmae

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Tiradas da Bia - Um sonho impossível


Depois de seis dias em casa de folga, já prontinha na cama para dormir pra acordar cedinho e voltar à rotina, Bia me sai com essa para fechar a noite:

- Pai, já pensou se toda semana fosse assim: seis dias de feriado, depois dois dias de aula e depois sábado e domingo?

Rsrsrsrs Acho que esse não é apenas um  sonho dela. Quem não queria? A vontade de ter tanta folga é tamanha que ela aumentou a semana em mais alguns dias e nem percebeu.

Beijos

@conversinhadmae

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Barbie na luta contra o câncer


Há alguns dias surgiu um movimento na internet tentando sensibilizar a empresa Mattel, fabricante da boneca Barbie, a preferidinha das garotas, para que ela produza uma boneca careca. A ideia é que o brinquedo possa auxiliar as meninas que têm câncer ou que têm algum parente, seja mãe, tia, irmã, prima, avó, madrinha, com a doença e que tenha perdido o cabelo por conta do tratamento de quimioterapia a ver não com tanto tabu esse momento, mas com certa naturalidade e até a aceitar essa alteração física trazida pelo tratamento.

No Facebook já existe uma página feita por uma organização social que luta contra o câncer capitaneando a campanha (www.facebook.com/beautifulandBaldBarbie). A proposta é conseguir a maior quantidade de “curtir”, para que a iniciativa ganhe força e dessa forma consiga convencer a empresa a fabricar a boneca. Já foram mais de 149.500 curtidas.


Na comunidade criada na rede social, o movimento diz que o que se gostaria é ver uma bela Barbie careca feita para ajudar jovens que sofrem perda de cabelo devido ao tratamento contra o câncer. Isso porque muitas crianças têm dificuldade em aceitar a sua mãe, tia, avó ou amiga de uma hora para outra mudar de cabelos compridos a careca.

O movimento sugere para a Barbie careca acessórios como perucas, bandanas, lenços e chapéus, para que ela possa utilizar nessa fase sem (ou com pouco) cabelo. “Este seria um grande mecanismo de enfrentamento para as meninas jovens que lidam com a perda de cabelo ou de um ente querido. Gostaríamos muito de ver uma parte dos lucros indo para pesquisa e tratamento do câncer infantil.”, diz na página da campanha no Facebook.

O Ministério da Saúde estima que, no Brasil, este ano, surjam cerca de 11,5 mil novos casos de câncer pediátrico de todos os tipos. Acho que essa é uma iniciativa bem interessante. A Mattel já lançou tantos tipos de Barbie, como médica, veterinária, professora, dentista, repórter, entre tantas outras, então por que não lançar esta que é por uma causa tão nobre?

Beijos

@conversinhadmae

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Autorizado novo tratamento para leucemia pediátrica


Portarias do Ministério da Saúde publicadas nesta sexta-feira estabelecem diretrizes diagnósticas e terapêuticas para uso do medicamento Glivec no tratamento de dois tipos de leucemia em crianças e adolescentes


Crianças e adolescentes portadores de Leucemia Mielóide Crônica (LMC) e Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA) passam a contar com mais uma opção de tratamento para estas duas doenças. Publicadas no Diário Oficial da União desta sexta-feira (17), as portarias 114 e 115 estabelecem as diretrizes diagnósticas e terapêuticas para o uso do medicamento Glivec em casos diagnósticos de LMC e LLA.


“As portarias representam um importante avanço porque permitem uma opção de tratamento medicamentoso eficaz, menos doloroso e de mais fácil administração em crianças e adolescentes” , observa o secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Helvécio Magalhães. O medicamento Glivec (cujo princípio ativo é o Mesilato de Imatinibe) é utilizado na forma de comprimido e, desde abril do ano passado, é adquirido de forma centralizada pelo Ministério da Saúde para distribuição, por meio das secretarias de saúde, aos hospitais oncológicos públicos ou conveniados ao Sistema Único de Saúde.


As diretrizes estabelecidas nas portarias 114 e 115 são resultado de duas consultas públicas abertas, pelo Ministério da Saúde, no último mês de novembro. Além de terem sido submetidas a contribuições da sociedade e de especialistas em onco-hematologia de renomados centros médicos nacionais, elas passaram por rigorosa análise da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias do SUS (Conitec) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ou seja, os protocolos estão respaldados por estudos clínicos aprofundados e passam a integrar as Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas em Oncologia.


Atualmente, o Glivec é indicado pelos médicos para o tratamento de aproximadamente sete mil pacientes oncológicos (adultos) assistidos pelo SUS.


Incidência – Este ano, estima-se que surjam, no país, cerca de 11,5 mil novos casos de câncer pediátrico de todos os tipos, incluindo as leucemias Mielóide Crônica (LMC) e Linfoblástica Aguda (LLA). Só em 2011, o Ministério da Saúde destinou cerca de R$ 112 milhões para o tratamento de neoplasias malignas em crianças e adolescentes. Estes recursos representaram cerca de 7% do investimento federal em toda a assistência oncológica pelo SUS.

Beijos

@conversinhadmae

Fonte: Assessoria de Comunicação do Ministério da Saúde

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Dicas de prevenção no mar

Achei bem legal essa cartilhinha do Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe com dicas em quadrinhos de prevenção contra afogamentos no mar e quis compartilhar com vocês. Espero que gostem e divulguem com outras pessoas.




Beijos

@conversinhadmae

Sergipe é o 3º do Nordeste em afogamento de crianças


Período de carnaval, muita gente vai aproveitar o feriadão na praia ou em hotéis e resorts com aquele maravilhoso mundo de piscinas. Gente, principalmente quem tem criança, tem que ficar atento. Todo cuidado é pouco, porque basta um descuido e o risco é enooorme. Se for em praia, então, Deus me livre!!! Vocês sabiam que, no Brasil, o afogamento é a segunda causa de morte, entre os acidentes de crianças e adolescentes até 14 anos? Pois é. Fica atrás apenas dos acidentes de trânsito.

Os afogamentos representam 28% dos óbitos por acidentes. A Organização Não Governamental Criança Segura fez um estudo com base nos números de mortalidade de 2009, que são os mais atuais divulgados pelo Ministério da Saúde, com o objetivo de alertar a população e incentivar a adoção de políticas públicas voltadas à prevenção desse tipo de acidente, e constatou que foram 1.376 mortes por afogamentos no total nesse ano.

O risco é maior em rios, mares e lagos. O levantamento apontou que 45% das mortes aconteceram em águas naturais somando-se ainda mais 6% relacionados a quedas em águas naturais. Em segundo lugar aparecem as piscinas, que foi responsável por 7% das mortes – somando a este número quedas em piscinas também. Outros 37% dos afogamentos não tiverem local identificado e 5% foram classificados como outros.

A maior incidência de morte no público infantil por afogamento foi entre as que têm idade entre dez e 14 anos (36%). Outros 35% das vítimas tinham entre um e quatro anos e 26% estava na faixa dos cinco aos nove anos e 3% das vítimas tinham menos de um ano. Os meninos foram vítimas duas vezes mais que as meninas, sendo 67% das mortes por afogamentos com garotos e 33% envolvendo garotas.

Nesse estudo, a ONG Criança Segura divulgou o ranking dos Estados com maiores taxas de morte por afogamento em crianças. Meu Estado, Sergipe, ficou na 11ª colocação geral e 3ª entre os Estados da Região Nordeste, com uma taxa de 3,67 mortes por 100 mil habitantes, empatado com o Maranhão. O “campeão” foi o Amapá, com taxa de 14,28 mortes por 100 mil habitantes e em último lugar aparece o Distrito Federal com taxa de 1,65.

Confira abaixo o ranking completo:

Colocação
Estado
Taxa por 100 mil habitantes
Amapá
14,28
Amazonas
6,92
Rondônia
6,52
Mato Grosso do Sul
5,84
Espírito Santo
4,88
Alagoas
4,78
Mato Grosso
4,52
Roraima
4,19
Pará
4,12
10ª
Maranhão
3,67
11ª
Sergipe
3,67
12ª
Piauí
3,46
13ª
Tocantins
3,44
14ª
Bahia
3,42
15ª
Acre
3,38
16ª
Goiás
2,90
17ª
Ceará
2,88
18ª
Paraíba
2,77
19ª
Paraná
2,75
20ª
Pernambuco
2,66
21ª
Rio Grande do Sul
2,62
22ª
Santa Catarina
2,59
23ª
Rio de Janeiro
2,43
24ª
Rio Grande do Norte 
2,05
25ª
Minas Gerais
1,92
26ª
São Paulo
1,75
27ª
Distrito Federal
1,65

Fonte: ONG Criança Segura com base em dados do Ministério da Saúde
                         
Além das mortes, 231 crianças foram hospitalizadas em 2009 vítimas de afogamentos. Para o tratamento e recuperação dos sobreviventes foram gastos R$ 254.787.

Mas, infelizmente, na maioria das vezes o afogamento é um acidente fatal. O pior é que além de praias e piscinas ele pode acontecer em casa. Por incrível que pareça, em locais que talvez não se imagine, como um balde com água ou mesmo o vaso sanitário. No caso da criança, cerca de quatro minutos sem respirar já são suficientes para causar lesões graves no cérebro ou a morte.


Alguns cuidados podem reduzir os riscos de isso acontecer. A Criança Segura dá algumas dicas de prevenção:

- Supervisão total do adulto;
- Uso de colete salva-vidas pelas crianças em piscinas, mares e rios;
- Armazenamento de baldes e banheiras com água no alto e virados para baixo, quando vazios;
- Banheiros e vasos sanitários fechados;
- Esvaziar piscinas infantis e tampar com lona bem presa as piscinas “regan” após o uso.

Não dá pra descuidar mesmo. Então, todo cuidado é pouco quando se trata de segurança.

Beijos

@conversinhadmae

Com informação da ONG Criança Segura