segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Corpo pintadinho


Confesso que me assustei semana passada. Minha filha chegou em casa dizendo que sete coleguinhas da sala estavam sem ir às aulas porque estavam com catapora. Isso mesmo: sete (e não é conta de mentiroso rsrs). Na reunião de pais que teve na sexta-feira, ouvi a mãe de alguns desses alunos conversando sobre o estado de saúde dos pequenos e como têm lidado com a doença.

Vixe, pensei eu, o que é isso, um surto? Como Bia ainda não teve catapora, tratei logo de bater um papo com a pediatra dela, doutora Magali Dias Carvalho, para saber se essa época é mais favorável à transmissão da catapora e trazer algumas informações sobre esse assunto para o blog.

Ela disse que a catapora é uma doença infecciosa, altamente contagiosa, transmitida por um vírus – Varicela-Zoster. Apesar disso, geralmente é uma doença benigna e era uma das mais comuns entre as crianças, antes da vacina. Depois de adquirir o vírus, a pessoa fica imune à catapora por toda vida.

A transmissão acontece pelas gotículas respiratórias. Febre alta, entre 37,5 graus e 39,5 graus, acompanhada por dor de cabeça, mal estar, falta de apetite e cansaço são os primeiros sintomas. Depois aparecem lesões na pele (manchas vermelhas) que se transformam em bolhinhas com líquido que depois darão lugar a crostas, que provocam coceira. Esse o grande problema: como evitar que as crianças cocem o quanto sentem vontade, para que não fiquem manchas na pele?

Esse período chuvoso, um pouco mais frio, pode ser um pouco mais propício à proliferação da catapora, uma vez que ela é transmitida por gotículas respiratórias e nessas condições climáticas a tendência é as pessoas ficarem mais próximas, em ambientes fechados.

Segundo a pediatra Magali Dias, o tratamento da catapora é sintomático, com banhos diários e atenção redobrada com os cuidados com a higiene, como cortar as unhas, lavar bem as mãos, para evitar a contaminação por bactérias, o que pode agravar o quadro clínico da pessoa infectada.

A médica disse que hoje já contamos com uma boa vacina para prevenir a doença, inclusive já temos uma associada à tríplice viral que é dada com um ano de idade, e a tetra viral – sarampo/rubéola/caxumba/varicela. Essa ainda não faz parte do calendário oficial de vacinas do Ministério da Saúde, só em clínicas particulares. Há também a vacina da varicela sozinha na rede privada, para quem já tomou a tríplice viral com um ano.

No mais, é torcer para que essa e outras doenças fiquem bem longe dos nossos pequenos.

Beijos

@conversinhadmae

Nenhum comentário:

Postar um comentário