segunda-feira, 11 de abril de 2011

Aprendendo a lidar com as perdas


Os últimos dias não foram nada fáceis para nossa família. Durante cinco dias, Cecília, a irmã de meu marido, Alex, esteve internada, em coma, acometida por uma doença repentinamente. Para nossa filha Beatriz, de apenas quatro anos, foi primeira experiência de ver alguém tão próximo nessa situação. Foi também, infelizmente, a primeira vez que ela teve que lidar com a perda de um ente querido. Na noite de quinta-feira, recebemos a notícia do falecimento de minha cunhada.

Além da nossa dor da perda, não conseguia deixar de pensar de que forma íamos dar essa notícia a ela, tão pequena e tendo que saber de perto o que é a morte. Como foi tudo muito rápido, na manhã do velório e sepultamento levamos ela para a escola e tentamos não demonstrar o que estava acontecendo. Conversei com a professora que ela ainda não tinha conhecimento do ocorrido e em casa tentamos não deixar que ela soubesse.

No entanto, tínhamos em mente que era por nós, seus pais, que ela deveria saber que não veria mais sua tia, com quem ela brincava como se as duas tivessem a mesma idade. Esperamos a melhor oportunidade para contar. No sábado à noite, quando o pai ia sair para ir à casa da avó, ela perguntou se ele iria ajudar a vovó a cuidar da tia. Decidimos que essa seria a hora oportuna.

Sentamos com ela e Alex explicou que a tia, por quem nós tínhamos pedido tanto a Papai do Céu para que cuidasse dela e deixasse ela boa se essa fosse a vontade dEle, estava sofrendo muito e, por isso, Deus resolveu levá-la para morar no Céu, com ele, onde não mais sofreria. A princípio, o único comentário dela foi: “Mas ela foi muito rápido, né, pai?”. Nos surpreendemos com tanta sabedoria em discernir que o natural é que primeiro vão os mais velhos.

Depois, só nós duas em casa, ela veio sentar em meu colo no sofá e me viu derramando algumas lágrimas. Com sua doçura e mãos carinhosas que enxugavam minhas lágrimas, perguntou: “Por que a senhora está chorando, mamãe?”. “Porque mesmo sabendo que tia Cecília está no céu e não sente mais dores a gente sente saudades”, disse eu. “Mas, mãe, depois que ela ficar boa ela volta”, tentou consolar-me. Não podia enganá-la e senti que tinha que dizer que não, infelizmente não íamos mais ver a tia, mas nós tínhamos que ficar felizes por ela, pois ela estava num lugar bem melhor e, agora, sem dor.

Percebi que foi então que ela de certa forma entendeu, do seu jeito e pra sua idade, o que tinha acontecido e então começou a chorar. Deixei que ela chorasse à vontade, que vivesse esse momento de tristeza, até então desconhecido para ela. Não posso negar que, como mãe, não queria que ela estivesse vivendo aquilo. A gente que é mãe (e pai também) não quer que nossos filhos sofram, se a gente pudesse colocava eles numa redoma, protegido de tudo e todos. Mas não é assim. A nossa missão é criá-los para que tenham condições de enfrentar os problemas da vida.

Depois que ela chorou, falei com ela que é normal a gente sentir saudade, porque não vai mais ver aquela pessoa que tanto ama. Mas temos que entender que a vontade de Deus é boa e ela está, com certeza, num lugar melhor que todos nós. Disse também que a gente deveria estar bem para dar ainda mais carinho a vovô e vovó, que vão sentir ainda mais saudades. E ela, novamente, me deu uma lição de sabedoria. “Mamãe, então vou ter que ir mais pra casa de vovó Jane, ficar com ela, brincar com ela, né?”, disse. E eu respondi afirmativamente.

É isso, gente. Temos que estar preparados para tudo. A gente nunca imagina as surpresas que nos reservam cada dia. E é engraçado como é justamente a morte que nos faz refletir sobre a vida.

Beijos

@conversinhadmae

6 comentários:

  1. Emocionante...passei por isso bem próximo no final do ano passado. Meu sobrinho também de 4 anos teve que aprender a lidar com a perda..é difícil vê-los tão novos passando por isso. Mas são perdas necessárias para o amadurecimento humano..beijos pra Bia e coração apertado por ela..vamos orar!

    ResponderExcluir
  2. Nossa querida Edjane, primeiramente meus sentimentos...
    Segundo, que post emocionante...
    Bom, eu sou uma pessoa muito suspeita para falar ou entender da morte...gostaria de ter sabedoria para compreender a vontade de Deus...imagino o quao dificil foi realmente falar para a pequena Bia....e que menina mais fofa e sábia também em suas respostas....fico aqui mandando um super beijo e força para todos de sua família....nessas horas a saudade aperta...

    ResponderExcluir
  3. Edjane, de vez em quando eu passo por aqui para colher uma dicas para o futuro e confesso que, dessa vez, o tema me tocou. Não sou pai e nem deverei ser em breve, mas entendo que ver uma criança e, principalmente, um filho sofrer diante da morte de um parente é realmente desesperador.

    Meu conforto a toda a família e, mais uma vez, parabéns por esse espaço que presta um grande serviço e nos fornece a dimensão do que é ser responsável pela vida de alguém.

    ResponderExcluir
  4. Edjane, como disse Fernando, sempre estou por aqui para ir aprendendo como ser uma boa mãe. Digo isso porque realmente admiro a sua relação com Bia. Fiquei de coração ainda mais apertado lendo esse post, em solidariedade a sua perda e a de Bia. É dificil demais ver esses pequenininhos sofrendo, mas, como você falou, era de vocês que ela precisava receber a notícia. Vou rezar p Deus trazer conforto p sua família depois dessa perda.

    Um beijao

    ResponderExcluir
  5. Nossa Ed que barra hein, tbm sofremos uma perda mto grande recentemente e por coincidencia un cunhado tbm , minha baby só tem 4 meses, então graças a Deus ñ precisei passar por isso, apesar q tenho certeza que ela sentiu nossa tristeza e msm sem entender eu expliquei pra ela, fiquem com Deus e confiar nele que essa dor vai adormecer aos pouquinhos, tbm temos um blog vá nos vistitar seria um prazer ser seguida por vc, http://mamaeprimeiraviagem2010.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Edjane, vou colocar um link para seu relato no blog Papo de Mãe amanhã, tudo bem? Dê uma passadinha lá depois. Participe sempre, siga nosso blog e ajude a divulgar o Papo de Mãe!!!
    Beijos
    Clarissa
    Equipe Papo de Mãe
    www.papodemae.com.br

    ResponderExcluir