terça-feira, 30 de novembro de 2010

Crianças na mira do con$umi$mo



Definitivamente, foi-se o tempo em que eu tinha tempo (desculpem a redundância) de assistir televisão. Hoje, isso é a coisa mais rara em minha vida. Quando acontece, é à noite, já na hora de ir dormir, mesmo assim muito rapidamente. Nem sempre no almoço consigo dar uma paradinha para ver o telejornal. Mas no sábado passado fui acordada por minha filha Beatriz, isso já perto das 8 horas (graças a Deus essa semana não foi às 5h30, como na passada), pedindo para que eu ligasse a TV – lá em casa o único aparelho fica no quarto do casal.


Depois de algumas negativas, ela me venceu pelo cansaço (ou melhor, pelo sono) e eu decidi ligar para que ela assistisse o seu desenho e eu pudesse continuar, por mais alguns minutos, o meu gostoso soninho. Algum tempo depois comecei, aos poucos, a despertar e, mesmo ainda sonolenta, com os olhos fechados, uma coisa me chamou a atenção: é impressionante a quantidade de comerciais voltados para a criançada no intervalo da programação infantil.


Gente, é propaganda de carrinho, de boneca, de roupa, calçado, biscoito, iogurte e mais um catatau de coisas. Não seria exagero dizer que é um bombardeio de apelos comerciais. Agora entendo em parte por que as crianças fazem tanto escândalo nas lojas e ficam desesperadas em frente a uma loja de brinquedos ou na seção de produtos infantis no supermercado.


Dias atrás descobri pelo Twitter (sim, sou viciada no microblog e o acho uma fonte de informações. Podem me seguir: @edjaneoli) o Projeto Criança e Consumo (www.alana.org.br/CriancaConsumo), desenvolvido pelo Instituto Alana, e achei muito interessante. Nele encontrei a pesquisa “Consumismo na Infância”, feita em parceria como o Instituto Datafolha, no início deste ano. Dei uma olhada rápida e fiquei de me debruçar mais atentamente sobre os resultados apontados por ela.


Incomodada pelo que percebi no sábado, resolvi analisar atentamente ela e compartilhar um pouco com vocês. Para a pesquisa, foram entrevistados 411 pais de crianças com idade entre três e 11 anos, de todas as classes econômicas, da cidade de São Paulo. Assistir TV foi a principal atividade de lazer dos filhos nessa faixa etária citada pelos próprios pais entre 14 itens estimulado no questionário de entrevista, como brincar como outras crianças, andar de bicicleta ou jogar videogame.


Os pesquisadores observaram que entre as preocupações estimuladas os pais dão maior atenção ao controle da programação de TV para seus filhos (58%), do que ao conteúdo das propagandas que passam nos intervalos comerciais (42%). É interessante observar que sete entre cada dez pais entrevistados confessaram que são influenciados pelos filhos na hora da compra, com maior incidência entre os homens (por incrível que pareça que nós mulheres somos mais influenciáveis).


Segundo a pesquisa, para os pais, os maiores influenciadores dos pedidos dos filhos, entre sete itens estimulados, são as propagandas (38%), vindo em seguida os personagens de TV ou filmes (18%) e os programas de TV (16%). 85% dos entrevistados concordaram totalmente ou em parte que as propagandas que aparecem na TV influenciam os filhos na escolha dos presentes que eles pedem, mesmo percentual dos que disseram que as propagandas levam as crianças a serem consumistas. Já 83% disseram que se preocupam com as propagandas voltadas aos seus filhos, pois eles podem querer comprar. A restrição ao marketing e propaganda voltada ao público infantil é apoiada por 73% dos pais entrevistados. O conteúdo completo da pesquisa pode ser conferido no site do Instituto.


Por coincidência, no sábado, dia 27, foi o Dia sem Compras – por um consumo mais consciente. Não vou dizer que aderi à data (pelo contrário, fui ao shopping e acabei comprando uns óculos para mim), mas achei interessante ter calhado essa percepção minha com o dia, que eu nem sabia que existia e fiquei sabendo apenas porque minha amiga Marivone Vieira – jornalista e acadêmica de Direito – colocou no seu microblog (@MarivoneVieira).


E você, o que acha das propagandas voltadas ao público infantil? Compartilhe com o Conversinha de Mãe a sua opinião.


Beijos

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

De cara nova

Gente, estou muito feliz. Estamos progredindo com o nosso Conversinha de Mãe. A partir de hoje, o blog está de cara nova, com o layout feito pelo meu maridão Alex. Queria uma coisa mais simpatiquinha, com carinha de criança mesmo. Acho esses bonequinhos de massinha de modelar lindinhos. A seleção da imagem foi feita por ele e eu amei. E vocês, o que acharam? Esperem em breve outras novidades.

Beijos

sábado, 27 de novembro de 2010

Férias escolares: o que fazer?

Finzinho de novembro e a maioria das escolas iniciou ontem o período de férias escolares da garotada. Pelo menos minha filha Beatriz já terminou o ano letivo. E aí começa um dilema para a maioria dos pais: o que fazer com a meninada durante esse período?

Felizmente, este ano conseguimos nossas férias para o mês de dezembro, conciliando com as dela, para que possamos curtir um pouco todos juntos. Na porta da escola e em estabelecimentos voltados para o público infantil, propagandas de colônias de férias não faltam. Eu ainda não tenho confiança suficiente para “despachá-la” para um desses locais. Ainda acho ela pequena e não conheço ninguém que trabalhe com isso para que possa mandá-la. Se você tem confiança, opções não faltam.

Mas aqui mesmo em nosso Estado existem várias opções de espaço de lazer que dá pra levar a criançada durante esses dias de férias. O Conversinha de Mãe dá algumas dicas para que você possa aproveitar o período de folga com muita diversão.

OCEANÁRIO DE ARACAJU


O Oceanário possui cerca de 70 espécies diferentes, todas nativas de Sergipe, expostas em 18 aquários (cinco de água doce e 13 de água salgada). O maior deles, o aquário oceânico, fica localizado na entrada e possui 150 mil litros, com aproximadamente 30 espécies, incluindo arraias, tubarões, moréias, xaréus, caranhas, vermelhos e meros. No local há uma réplica da parte submersa de uma plataforma petrolífera, para que os visitantes entendam melhor a interação da meio natural com essa estrutura existente no litoral sergipano, que é produtor de petróleo.


Hora da alimentação dos tubarões

Uma das grandes atrações do Oceanário é o momento da alimentação dos animais, nos aquários e tanques, principalmente a hora de dar comida aos tubarões. O visitante pode até tocá-los. Acontece diariamente, às 16h30. Há ainda no local uma lojinha onde são vendidos produtos licenciados do Projeto Tamar.


Tanques com espécies nativas de SE


O ingresso custa R$ 8,00. Crianças de sete a 15 anos e idosos pagam meia entrada. Já portadores de necessidades especiais e crianças de até seis anos não pagam. O Oceanário de Aracaju está localizado na Orla de Atalaia e está aberto de terça a domingo e nos feriados, das 9h às 21h.
Tartarugas marinhas são uma atração


PARQUE DA CIDADE

Outro local bem legal para levar filho pra passear é o Parque da Cidade, localizado no Morro do Urubu, no Porto D’Anta, em Aracaju. O parque é a única reserva de Mata Atlântica da capital. O espaço verde é bem convidativo para um piquenique em família. Um dos atrativos do Parque da Cidade é o zoológico, com mais de 400 animais, entre aves, mamíferos, macacos, répteis, entre tantos outros.


Leão é um dos bichos que mais chamam a atenção dos visitantes

Acho que o teleférico também está funcionando e, se você tiver coragem em se arriscar (apesar de nem ser tão alto), a vista da cidade vale a pena.
Do teleférico, a vista da cidade é linda

 O parque abre às 6h e o zoológico, a partir das 9h, de terça-feira a domingo e feriados. Entrada gratuita.

PARQUE DA SEMENTEIRA

Esse é outro espaço de lazer bem legal para curtir com a criançada. Como a entrada de carros não é permitida, é uma tranquilidade a mais. Dá para descansar, andar de bicicleta, fazer esportes, piquenique, enfim curtir a natureza. Lá dentro, você acaba perdendo a noção de que está no meio da cidade, de tão agradável que é. Entrada franca.


Área verde...

...e muita tranquilidade

ORLA DE ATALAIA

Conhecida como a orla mais bonita do Nordeste, o local é uma atração à parte da cidade. A proximidade e o barulho do mar fazem a diferença. Ao longo dela existem vários equipamentos de lazer e o que mais atrai a garotada é o Maravilhoso Mundo na Criança, um espaço bem democrático. Isso porque existem desde brinquedos gratuitos, aos infláveis e administrados por empresas que exploram o serviço e cobram R$ 2,00 por cada ingresso, aos carrinhos elétricos, que custam R$ 7,00 por 10 minutos.

Um dos brinquedos disponibilizados a todas as crianças

E aí, o que achou das dicas? Tem mais alguma legal para nos sugerir? Agora é só curtir.

Beijos

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Momentos (e gestos) que emocionam


Vou confessar: agora que minha filha está crescendo, tenho começado a sentir o peso das cobranças, não apenas por parte dela, mas também da minha parte, no sentido de estar próximo em todos os momentos importantes da vida dela. E, em se tratando de filho, momentos importantes nem sempre são aqueles importantes do nosso ponto de vista, mas do deles. E isso muitas vezes significa coisa simples.

Hoje, por exemplo, na escola de Bia, aconteceram as apresentações de encerramento do ano, a da salinha dela e a do balé. Agora, poxa vida, no horário das 10h30, bem no meio do horário do expediente de trabalho, é dose, não? Ainda mais se os eventos foram avisados de véspera, sem ter condições nenhuma de se programar para dar uma “escapadinha” antes.


A Bia Noel mais linda da mamãe

Pois bem, para não causar tanta expectativa nela, não prometi que iria estar presente. Mas vá fazer uma criança de 4 anos entender que sua mãe não vai poder estar, como a de todos os outros coleguinhas, na platéia assistindo ela apresentar a coreografia e a música que passou meses ensaiando, na expectativa de fazer uma surpresa no grande dia? É complicado!

Mas não podia – nem deveria – deixar de estar presente nesse momento. Eu e o pai, Alex, corremos para sair do trabalho, sem deixar lacunas por lá, e chegar a tempo. Nessa hora, parece que as coisas não ajudam. Aparece uma caminhada no caminho, o trânsito não flui, não se acha vaga de estacionamento, enfim, acontece de tudo. Mas, finalmente, literalmente, corro para chegar e ainda pegar a apresentação do balé já na metade.

Família suuuper feliz. Obrigada, Senhor!

Ver aquele rostinho fazendo a coreografia com o sentido na música para não errar os passos e, ao mesmo, tempo procurando na platéia o pai e a mãe que não chegam e, de repente, numa passada de olho ela te notar e abrir um sorriso enorme e acenar as mãozinhas é mais que uma recompensa. É a certeza de que a melhor coisa na vida que se tem é o amor de filho.

Melhor que isso é perceber a compreensão de quem tanto esperou e que, sem mágoa nenhuma, chega e diz: “Mamãe eu te amo, pensei que a senhora não ia vim. Eu já tava chorando”. Filha, mamãe também te ama, hoje, amanhã e sempre!

Alex orgulhoso com o desempenho de sua bailarina

São esses momentos que têm me feito cada vez mais refletir o quanto é importante estar próximo a ela o máximo de tempo que puder, porque o tempo passa e não volta. Assim é a vida. Desses momentos é que ela é feita e por isso devemos valorizá-la tanto. Pense nisso também.

Beijos

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Opção por filho único



Sou uma das milhares de brasileiras que esperaram ficar um pouco mais velhas para decidirem ter o primeiro filho. Mesmo depois de casada, esperei alguns anos para tomar essa decisão. Eu e meu marido preferimos aguardar, dar um tempo para eu me estabilizar profissionalmente para, então, pensar em aumentar a família. Foram quatro anos do que chamamos de casamento-namoro: só nós dois.

Hoje, quatro anos depois que Beatriz nasceu, não nos arrependemos de ter dado esse tempo. Mesmo assim, nesse corre-corre diário que a gente tem, mais acentuado depois que ela começou a estudar, ainda tenho a culpa de não dispor do tempo necessário para ficar com ela. Trabalhar os dois expedientes (ou quase três como fazia até pouco tempo) é um desafio para qualquer mãe. E aí não tem com fugir do sentimento de culpa.

E quer ver coisa é a cobrança que existe sobre quem tem um filho só. É incrível como parece que as pessoas não aceitam a opção de quem quer ter apenas um filho. Gente, quem pensa assim é porque sabe de suas condições, como é o meu caso. Criar filho é tão complexo, é uma responsabilidade muito grande. Por mais que pareça clichê: filho é pra toda vida. Nessas condições essenciais está incluído tudo, não só a parte financeira, mas, também – e, pra mim, principalmente –, tempo.

Entre os argumentos dos que tentam nos convencer a aumentar a prole, o fato da solidão vivida pelos filhos únicos, a questão de ele crescer achando que pode tudo, que é o “reizinho” da casa, que viverão superprotegidos, etc. Não entendo dessa forma. Acho que se as coisas forem feitas com prudência e limite o filho único não será sinônimo de tirania. É o que tento mostrar para minha filha.

Uma pesquisa realizada recentemente na Grã Bretanha, com mais de 100 mil pessoas em 40 mil famílias, ao contrário do que se costuma imaginar, mostrou que os filhos únicos são mais felizes do que os que têm irmãos. Um dos motivos apontados pelos pesquisadores é que o filho único não precisa lutar pela atenção dos pais, além de não sofrer bullying dos irmãos mais velhos, nem recebe apelidos maldosos. Fora isso, ele irá dispor de todo investimento dos pais, que com apenas um filho terão condições de investir mais pesado na educação da criança.

O resultado da pesquisa foi publicado em uma reportagem da revista Crescer (http://migre.me/2rOzx). Vale a pena dar uma conferida. Por enquanto, mesmo diante das cobranças (graças a Deus que não de meu marido e minha filha), continuo com o pensamento de a família permanecer no mesmo tamanho.

E você, o que acha disso. Comente aqui no Conversinha de Mãe.

Beijos

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Segredos de beleza da Barbie

É opinião quase unânime: as meninas amam rosa, assim como amam também a Barbie. E, de olho nessa paixão, a Avon lançou uma linha de cosméticos infantis voltada especialmente para as pequenas: a Barbie Avon. Não precisa nem dizer que o rosa – bem pink mesmo! – dá o tom dela, né?

Colônia tem cheirinho de cliclete

Composta por colônia, loção hidratante para corpo e mãos, shampoo condicionador 2 em 1 e gloss labial, a linha foi especialmente pensada no público infantil. A colônia é bem delicada e tem cheirinho de chiclete de framboesa. O hidratante promete pela hidratada e perfumada por até 24 horas. Além do perfume gostoso, o bom do shampoo é que não arde os olhos. E o gloss, bem, esse é um detalhe à parte. O cheirinho (com gostinho) de chocolate dá vontade, literalmente, de lamber os beiços. Portanto, chocólatras: mantenham-se longe.

Shampoo 2 em 1: não arde os olhos

De toda linha, apenas não experimentei o hidratante. Os demais já foram aprovados por mim e por minha filhota Beatriz. O precinho é até convidativo. O kit com a colônia, shampoo e gloss comprei por R$ 29,90. Os produtos avulsos saem um pouco mais caro. Aposto que toda menina iria amar receber um deles

Gloss labial, sabor chocolate, hum...


Fica então a dica, principalmente com o Natal chegando.

Beijos

O kit com os três produtos vem nessa sacola presenteável


sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Enfim, estreia aguardada!

Aí, estava tão ansiosa para começar a escrever e ver ganhar forma meu blog que comecei a postar os textos sem, sequer, me apresentar e falar um pouco sobre essa iniciativa. Então, com quase uma semana de atraso – sim, o blog completa amanhã uma semana de vida – vamos às apresentações. Eu sou Edjane Oliveira, jornalista de Sergipe, mãe de Beatriz e mulher de Alex.

Amo escrever. Não me vejo fazendo outra coisa. Sou repórter por natureza mesmo. Há alguns anos pensava em escrever um blog. Primeiro pensei em fazer sobre últimas notícias, depois em algo mais informal e menos factual, cheguei até a algumas tentativas, sem nenhuma sequência. Com meu marido começamos outro (www.aartedalembranca.blogspot.com), que ainda está no ar, mas desatualizado, sobre lembrancinhas que confeccionamos.

Mas, mais recentemente, surgiu a ideia – diga-se, por sinal, muito incentivada por minha amiga, também jornalista e blogueira, Karina Mendes, do www.amormaior-se.blogspot.com – de lançar um blog como este agora, o Conversinha de Mãe. Estou sentindo ele como um filho mesmo e quero me dedicar.

Na cabeça, projetos não faltam e quero, aos poucos, colocá-los em prática aqui. Então, se gostaram, divulguem o Conversinha de Mãe e sugiram coisas pra cá. Aguardo, viu!

Beijos

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Caminhada Fashion contra o câncer de mama


Depois que a gente vira mãe, as atenções são todas voltadas para nossos filhos e muitas vezes – não raro – acabamos deixando de lado os cuidados com a nossa saúde. Uma das grandes preocupações atualmente relacionadas à saúde da mulher é o câncer de mama.

E, justamente com o intuito de alertar, informar e contribuir com o combate ao câncer, acontece nesta sexta-feira, dia 19 de novembro, a Caminhada Fashion contra o câncer de mama. O percurso de cinco quilômetros terá início às 19 horas, na Orla de Atalaia, em Aracaju (SE). O evento será coordenado pelo mastologista Cláudio Mitidieri e faz parte da programação da terceira edição do Aracaju Fashion Square.

A ideia é reunir no ato a imprensa, formadores de opinião, personalidades, artistas locais e pessoas comuns para de forma descontraída alertar a população sobre o câncer de mama. para animar a caminhada, um mini trio acompanhará o trajeto, que terá à disposição dos participantes uma ambulância, para qualquer eventualidade. A concentração será na praça de eventos da Orla, às 18h. Vale apena apoiar essa nobre iniciativa, que tem à frente a Dupla Comunicação & Eventos, capitaneada pelas jornalistas Andreza Coutinho e Fátima Lyra.

Beijos

Meu filho adoeceu. Pra onde levar?



Gente, a situação está séria mesmo. Quem tem filho sabe bem o caos que está o atendimento de urgência pediátrica em Sergipe, principalmente em Aracaju. Nem adianta se achar mais protegido porque todo mês paga – caro! – por plano de saúde, pois o problema é igual para todos. Não bastava ter sido fechado serviço de urgência em pediatria no Hospital Primavera e na Clínica Renascença e do anúncio do impasse, que pode resultar também no fechamento, entre cooperativa de pediatras e a direção do Hospital São Lucas, agora a notícia da possibilidade de fechamento da urgência pediátrica da Clínica Pimpolho pegou todos de surpresa e deixou pais e mães em estado de alerta.

Daqui a uns dias não vamos ter para onde levar nossos filhos em caso de emergência ou então ter que recorrer – e superlotar ainda mais – ao serviço público. Na segunda-feira, os pais que foram até a Pimpolho receberam uma carta em que uma das diretoras da clínica, a pediatra Suzinete Dias, lamentava a possibilidade de fechamento.

“Com profunda tristeza, após 30 anos de serviço à população sergipana, a Clínica Pimpolho se depara com uma situação em que o fechamento desta urgência é praticamente inevitável. A clínica, por ser considerada um pronto atendimento de urgência de pequeno porte e sem condições materiais e de estrutura para receber e manter em tratamento crianças com quadros clínicos considerados graves, não conseguirá atender sozinha à demanda de urgência dos convênios se a urgência pediátrica do Hospital São Lucas realmente fechar”, dizia um dos trechos da carta.

A Pimpolho era uma das poucas opções, por sinal, que ainda restam aos pais na hora em que precisam de atendimento de urgência para seus filhos. Fora ele, apenas o hospital Unimed e o São Lucas continuam atendendo, ambos com um pediatra por plantão, o que também não consegue atender à demanda. E ainda assim este último em situação ainda indefinida a partir do dia 26 deste mês. Ou seja, na próxima semana podemos ter outra notícia ruim.

Pelo visto, o jeito é pedir (muito!!!) a Deus para que Ele cuide com muito zelo da saúde dos nossos filhos e que mantenha longe deles todas as viroses, gripes, resfriados, febres, dengue e outras tantas doenças que existirem neste mundo. Amém!

Beijos

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Novas vacinas no calendário básico



Essa é novidade (das boas!) postada há pouco no Twitter pela jornalista e mãe Clécia Carla (@cleciacarla). O Senado aprovou hoje um projeto de lei complementar (PLC 5/09) que inclui novas vacinas no calendário básico de vacinação das crianças. Isso é uma notícia excelente. Agora, depois da lei sancionada pelo presidente da República, deverão ser ofertadas vacinas contra hepatite A, varicela e pneumococo, bem como a meningocócica conjugada C e pneumocócica conjugada sete valente.

O pai da criança, ou melhor, do projeto, é o deputado Alexandre Silveira, do PPS de Minas Gerais. Aprovada na Câmara e no Senado, depois de sancionada a lei entrará em vigor no primeiro dia do exercício financeiro subseqüente à data de sua publicação.

As novas vacinas que serão incluídas no calendário ajudarão a reduzir a mortalidade associada às doenças como hepatite, meningite, pneumonia, entre outras. Atualmente, elas já são disponibilizadas pelo SUS, mas apenas para portadores do vírus da Aids (HIV), doenças pulmonares crônicas ou para quem vai se submeter a transplantes.

Beijos

Com informações da Agência Senado

Banheiros infantis: crianças no aperto

Não sei se acontece só comigo, mas por que é que toda criança quando sai de casa gosta sempre de visitar os banheiros, seja no shopping, casa de amigos, igrejas ou lojas? É incrível, pode ser que tenha acabado de fazer xixi em casa, mas sempre dá uma vontadezinha de ir novamente. Pelo menos com minha filha isso sempre acontece. E quem é mãe de criança sabe bem a dificuldade que é encontrar banheiro para crianças nesses lugares e quando eles existem nem sempre a limpeza é adequada para os nossos pequenos.

Por diversas vezes já passei pela situação de, de repente, dar aquela vontade nela e não ter banheiro disponível ou ele estar bastante sujo. Até mesmo em shopping, que tem banheiros exclusivos para crianças, já vivenciei uma situação constrangedora. Ao chegar lá com minha pequena o banheiro simplesmente estava com fila de pessoas esperando para utilizá-lo, pois o feminino estava desativado.

E nessas situações como agir? Em alguns casos, o jeito é fazer malabarismos – eu mesmo já fiz muitos! – ou lançar mão de alguns artifícios para “desapertar” as crianças. Outro dia, encontrei no balcão da livraria Planeta Gospel (na rua Santo Amaro, 40, no Centro de Aracaju) umas caixinhas com assentos sanitários descartáveis. O Proassento é um forro plástico que serve para recobrir o vaso sanitário e acaba sendo uma ótima opção para quem sai com crianças. E o melhor: é bem baratinho, R$ 1,00. A dica foi também da minha amiga e mãe Mônica Azevedo.



Assento sanitário serve para forrar o vaso


Também não saio sem um pacote de lencinhos umedecidos na bolsa, é uma mão na roda. Além de fazer a higienização da criança, uso para limpar o assento. Levo sempre os da Baby Wipes. O produto na embalagem “puxa fácil” realmente facilita a utilização, pois são embalados um a um. Vem com 60 unidades. Nas lojas Americanas custa R$ 3,99.

Lencinhos umedecidos não podem faltar na bolsa da mamãe


Outra descoberta que fiz recentemente são os lencinhos Banho de Gato, da linha Naturé, da Natura. Com um perfume muito agradável, eles realmente fazem as vezes de um banho, quando ele não é possível utilizar água. Os lencinhos são indicados para crianças de 3 a 7 anos. Como possui uma fórmula suave, com ação antiséptica, higieniza a delicada pele da criança, retirando as impurezas ao mesmo tempo em que protege e hidrata a pele. Uma grande vantagem dele é que pode ser usado em todo corpo, inclusive na boca. A embalagem vem com 25 unidades é vendida por R$ 8,50.


Banho de Gato: higieniza e protege as crianças de 3 a 7 anos


Uma boa notícia para as crianças (e as mamães) é que na Câmara Municipal de Aracaju está tramitando um projeto de lei de autoria do vereador Ivaldo José (PDT) que prevê a obrigatoriedade em hospitais e clínicas, particulares e públicos, da adequação de banheiros exclusivos para crianças. A iniciativa visa evitar que os pequenos sejam obrigados a dividir o espaço com os adultos. Embora ainda não obrigue lojas, restaurantes, cinemas e outros estabelecimentos a adotarem medida semelhante, já é um bom começo.

Beijos

terça-feira, 16 de novembro de 2010

De olhos bem atentos!!

Cuidar da saúde dos olhos é sempre fundamental. Quando se fala em criança, mais ainda, principalmente num país tropical como o nosso, especialmente aqui na região Nordeste, onde durante boa parte do ano somos presenteados por um sol maravilhoso. Para que os olhos dos nossos pequenos não sofram os danos causados pelos raios solares, é essencial que estejam sempre protegidos. E para isso é importante que nós, mães, estejamos atentas à importância da utilização de óculos de sol.


Minha filhota, sempre que pode está com os óculos no rosto (geralmente algum meu). Embora ainda não saiba o quanto eles são importantes, ela acha um charme. De um tempo para cá, percebi que precisava comprar um especialmente para ela, adequado ao seu tamanho do rosto e, principalmente, com proteção.

Há alguns meses tinha ido a uma ótica e, enquanto procurava óculos para minha tia, a vendedora apresentou a ela um modelo de óculos escuro infantil. Ela se apaixonou, mas no momento achei o preço um pouco "salgado" (R$ 365). Na semana passada, despretenciosamente, passando em frente à Fotóptica, do Centro, eis que me deparo na vitrine com vários modelos de óculos infantil. A M E I. Depois, eu e Alex a levamos à loja da ótica no Shopping Jardins e encontramos o modelo que era queria, pra variar: ROSA! E o melhor, com um preço bem mais acessível.


  Modelo comprado na Fotóptica, do Shopping Jardins

Dando uma pesquisada na internet, percebi que hoje esses modelos estão mais acessíveis e variados. Mas, o mais importante é que os pais estejam atentos à qualidade do produto, evitando comprar falsificações vendidas no mercado ambulante ou que não tenham proteção UVA e UVB. Na dúvida, vale sempre consultar o oftalmologista.

Os óculos de sol, além de protegerem os olhos das crianças, são um charme, tanto para meninas quanto para meninos. Podem ser usados não apenas para ir à praia, mas para um passeio ao shopping, ao parque, a um sítio, à casa da vovó, enfim, para todos os lugares em que haja exposição ao sol.

Bia posando com sua nova aquisição


Óculos no detalhe 

 Detalhe de florzinha na haste

Fica a dica.

Beijos

sábado, 13 de novembro de 2010

Dia de beleza kids

Quem é mãe e trabalha fora (nos dois expediente, principalmente) sabe como é essencial momentos a sós com os filhos, especialmente quem tem filha. Programinha de mulher é o que há. Com minha Beatriz agora com 4 anos, ela se acha uma mocinha.

Como minha gatona já estava precisando, há muito, dar um corte no cabelo, para deixar seus lindos cachinhos ainda mais belos e, principalmente, mais fáceis de pentear, juntei o útil ao agradável: aproveitei a folga da sexta-feira à tarde para providenciar.

Destino: Funny Hair, salão de beleza especializado no público infantil. A indicação, mais que aprovada, foi da minha amiga e também jornalista Mônica Azevedo. Ela, a filha Isabele, o filho Rodrigo e o maridão Marcos são clientes assíduos do local, praticamente de casa. Não preciso nem dizer que Bia AMOU.

Destaque para o atendimento sempre atencioso de toda equipe do salão, desde a recepção, passando por todos os funcionários (inclusive as dos serviços que ela não usou) e pela proprietária. Minha gatinha foi atendida pela cabeleireira Kelly, muito simpática e atenciosa, por sinal.


No Funny Hair, são oferecidos todos os serviços presentes num salão convencional: corte, escova, hidratação, manicure, maquiagem, penteados... O grande diferencial do local é a forma como eles são prestados, tudo de forma descontraída e alegre, para atrair a criançada e deixá-la bem relaxada. Os pequenos podem cortar o cabelo em cadeirinhas especiais - parecendo que estão num parque de diversão -, assistindo DVD infantil, jogando game, o máximo!

Dica testada e aprovada!


Em Aracaju, o Funny Hair está localizado na Av. Gonçalo Prado Rollemberg, 497, sala 1, no bairro Salgado Filho.

Beijos


Bia com a tia Kelly, que cortou seu cabelo






Com a amiguinha Isabele, que não quis cortar o bebelo